Primeiras aulas do curso Feedback: a arte de orientar e ser orientado com sentido

Feedback: a arte de orientar e ser orientado com sentido

Feedback no dia a dia - Introdução

Olá! Eu sou a Priscila Stuani, estarei com você neste curso, onde vamos falar sobre feedback. Aliás, o que você entende sobre isso? De forma muito geral, feedback é qualquer informação que alguém emite sobre nós ou sobre aquilo que nós fazemos. Durante este curso, vamos entender o que está por trás dele.

Para nos ajudar neste processo, vamos contar com o livro “Obrigado pelo feedback”, escrito pelo Douglas Stone e pela Sheila Heen. Vamos entender que relação existe entre aprendizado, feedback e evolução que podemos ter como pessoa e profissional.

Será que aprendemos a receber feedback ou já nascemos sabendo? Vamos ver a importância de termos clareza, consciência sobre como eu recebo o feedback e como dou feedback para outra pessoa. Receber feedback não significa aceitar tudo. Vamos ver o que precisamos fazer para separar bem as coisas, aquilo que faz sentido e vou implementar daquilo, e aquilo que não faz sentido.

Vamos falar também que quando o feedback faz sentido, precisamos nos envolver na conversa, entender o que está sendo dito. A partir disso, começamos a fazer escolhas mais inteligentes. Ao invés de eu receber o feedback como uma crítica, começo a ver que existe algo em que posso melhorar. Começo a extrair fragmentos desse feedback e aplico no meu dia a dia para buscar a melhoria naquilo que faço.

Vamos ver quais são as vantagens de receber bem os feedbacks e como torná-los menos ameaçadores. Afinal de contas, muitas pessoas podem ter experiências anteriores em que o feedback era mais uma crítica e a pessoa não conseguiu extrair nada de positivo daquilo. Toda vez que ela escuta a palavra “feedback”, ela já associa com bronca. Isso não é bom. Como vamos lidar com isso? Como vamos ajudar as pessoas a verem o feedback de forma mais saudável?

Também vamos ver quais os gatilhos de feedback, porque muitas vezes recebemos um feedback e já temos uma reação. Qual é ela? Por que pensamos nisso? O que te motivou? É uma das coisas que vamos ver durante o curso.

É importante lembrar que o feedback não é um veredito. É uma opinião sempre bem-vinda. Não temos que adotar como verdade absoluta, que se eu não fizer não posso mais existir porque não entendo as coisas. Vale a pena lembrar também que feedback é sempre uma informação única. Lembre-se, ao invés de vê-lo como uma bronca, veja como uma oportunidade.

Vamos aprender também a desarmar as distorções que acontecem durante este processo, justamente para nos ajudar a estimular nossa identidade de crescimento. Ou seja, identificar oportunidades em tudo que acontece e começar a extrair isso para melhorar nossa conduta como pessoa e profissional.

E o que são as linhas cruzadas? Vamos entender como podemos alinhas expectativas, porque muitas vezes fizemos uma coisa e esperamos reconhecimento. E na verdade, a pessoa que chega para mim diz que posso fazer de forma diferente da próxima vez. Eu fiquei sem meu reconhecimento, fiquei chateada, porque parecia só mais uma coisa, e que não foi reconhecida. Vamos entender melhor como alinhar expectativas e o motivo de agirmos dessa maneira.

Se você ficou curioso, se quer entender como você pode utilizar o feedback para melhorar sua relação profissional, pessoal com as outras pessoas, recomendo que você faça este curso. Te vejo no próximo vídeo.

Feedback no dia a dia - O que se entende por feedback

Quero te apresentar o Rodrigo. Ele é um líder de desenvolvimento de um time da Apeperia, onde ele trabalha com cinco desenvolvedores. Vamos ver algumas situações que acontecem no dia a dia da equipe.

Parece que o time investe muito tempo para concluir as tarefas. Ele confia no time, mas o rendimento é baixo. Ele gosta de delegar as tarefas, porque compreende que isso é um papel importante que um bom líder exerce, mas cada um faz o que quer. E aí? O que está acontecendo nessa Apeperia?

Apesar deste cenário, ele costuma se posicionar como um líder orgulhoso para seus parentes, colegas de fora da empresa, para quem ele fala que está há menos de um ano na empresa e já assumiu um cargo de liderança.

Sabemos que no nosso trabalho vão ter coisas que não saberemos fazer e coisas que não gostamos tanto, como por exemplo receber broncas. Quando acontece alguma coisa, ao invés da bronca vir de cima e direto para o time, passa pelo Rodrigo. Se alguém estoura o prazo, ele precisa lidar com isso. Se alguém mexe em algum projeto do cliente sem o cliente ter autorizado, também dá problema. Se houver algum tipo de imprudência com o manejo dos dados desse cliente, também é um problema com o qual o Rodrigo precisa lidar. E aí? O que ele faz?

O Rodrigo se posiciona como um time, como um líder que está focado em apagar incêndios, resolver problemas, orientar ou dar solução de problemas do cliente. Isso é plausível, é um raciocínio importante, mas tem um porém. Se o Rodrigo tomasse cuidado com algumas situações, ele não precisaria ficar apagando incêndios.

Apagar incêndios tem várias causas. Podemos ver, por exemplo, falta de planejamento, não orientar o time, não ter prioridades, ter tudo como importante. Perceba que esse é o cenário ideal para ele começar a apagar incêndios, quando na verdade o objetivo do time é entregar sprints, realizar entregas para conseguir cumprir o prazo e deixar o cliente feliz. O que foi pedido foi entregue, e não começar a se perder em diversas tarefas que poderiam ser evitadas.

Sabemos que durante nosso dia a dia podem acontecer situações em que vamos ter que parar o que estamos fazendo para corrigir eventuais problemas. Isso acontece. Mas fica um recado. O bom líder precisa se antever a esses problemas e diminuir riscos, fazer com que sua equipe tenha um ambiente propício para desenvolver cada vez mais e melhor.

Você deve estar se perguntando como esse cara ainda trabalha na empresa. Fizemos uma breve análise do que acontece no dia a dia dele e já ficamos de cabelo em pé se perguntando como isso pode ter acontecido. Você pode falar “se fosse na minha empresa ele não ia ter todas essas chances”.

O que acontece é que quando o Rodrigo foi contratado para exercer esse cargo, já sabiam que ele não tinha tanta experiência com liderança. Ele está em um processo de aprendizagem. Vai ter muitos acertos e muitos erros. A empresa precisa saber lidar com isso, porque não é sempre que achamos um profissional pronto. No caso do Rodrigo, ele teve sua oportunidade e precisa se desenvolver para cumprir com o que a empresa espera dele.

Quero te chamar para uma reflexão. O que você achou desse cenário e o que você diria para o Rodrigo? É natural que quando alguém conta uma história para você, você já começa a ver o que foi legal, o que não foi, o que ele deveria ter feito. Agora pergunto. O que você diria para o Rodrigo? A partir do momento em que começamos a refletir sobre uma situação, é natural termos várias ideias sobre o que poderíamos dizer.

através dessa fala nós entendemos que poderia ocorrer o processo do feedback. Ou seja, aconteceu uma situação, você quer falar o que ele está fazendo bem e o que não está legal, dar ideias de como ele pode fazer. O feedback está presente nas nossas relações.

Falando de feedback, o que entendemos por isso? Parece que feedback é uma palavra que está presente no nosso dia a dia, mas como lidamos com ele? Vem aqui algumas reflexões. Feedback é qualquer informação sobre você. Ela precisa ser verbal? A verbalização é uma das características do feedback, mas também podemos receber um feedback positivo quando, por exemplo, o Rodrigo conta para o chefe dele uma estratégia que pode alavancar as vendas da empresa. O brilho nos olhos desse chefe também vai fazer com que o Rodrigo receba um feedback.

É importante lembrarmos que feedback não se trata apenas de avaliação. Tem empresas que adotam esse sistema mais organizado, no sentido de estabelecer dia e horário, ter critérios sob os quais o profissional vai ser avaliado. Aí chega o dia de falarmos o resultado dessa análise baseado no comportamento, no trabalho que a pessoa fez em determinado período de tempo.

Mas a ideia deste curso é ampliar nosso entendimento sobre feedback, que pode ser feito tanto através de um agradecimento quanto de um elogio. E aí começamos a ver que o feedback não está atrelado apenas à questão profissional. Pode muito bem estar relacionado às nossas questões pessoais.

Vale a pena aqui uma ressalva para falar que feedback é tão bom quanto fazer exercícios e comer brócolis. Nem sempre gostamos, mas é importante, porque nos faz crescer e ficarmos mais saudáveis.

Agora, vou compartilhar com vocês uma experiência que o Rodrigo teve alguns anos atrás, em que ele trabalhava em um time com algumas pessoas, e o Rodrigo era o cara mais divertido da empresa. Todo mundo olhava para ele e já era motivo de dar risada. E o Rodrigo trabalhava muito bem.

Um belo dia um amigo dele chegou e falou “Rodrigo, posso te dar um feedback? Você é muito bom tecnicamente, mas você já reparou que as pessoas dão só risada com você? Isso acaba tirando um pouco a concentração das outras pessoas do time. Pode acabar prejudicando o trabalho delas”.

O Rodrigo ficou meio chateado, pensando que não tinha percebido. E o amigo disse “ao invés de você ser conhecido como um profissional tecnicamente capaz de superar as expectativas dos clientes, você pode ser reconhecido apenas como um cara divertido ou mala que gosta de fazer os outros darem risada. E aí você pode perder oportunidades profissionais, como uma promoção”.

O Rodrigo começou a refletir sobre isso. A ideia não é fazer com que ele vire um santo, aquela coisa zen. Ele pode dar risada, vai continuar com o comportamento dele, mas sempre tendo mais consciência, para se observar melhor. A ideia aqui não é falar que o Rodrigo tem que ser outra pessoa, de maneira alguma. Mas a partir do momento em que temos consciência, começamos a perceber o que pode nos prejudicar.

O Rodrigo teve essa experiência que parece um pouco dolorida, porque ele não esperava que as pessoas tivessem esse comportamento de ficarem desconcentradas. Ao invés disso, ele achava que as pessoas ficavam mais descontraídas e trabalhavam melhor. Este é um dos exemplos que temos.

Para nos ajudar a entender melhor essas situações que incluem o feedback, vamos ter como referência o livro “Obrigado pelo feedback”, escrito pelo Douglas Stone e pela Sheila Heen. Vamos entender melhor o que está por trás do feedback. O Rodrigo percebeu que através de um comentário inocente de um amigo dele, ele começou a ter uma percepção diferente do que estava fazendo.

Agora faço uma observação. Nossa razão de ser é aprender e evoluir. Entramos na escolinha no primário, vamos crescendo até chegar na universidade, começamos a pensar em especialização e por aí vai. Mas além disso, o que queremos para nossa vida? Nos sentir amados, aceitos e respeitados. Como sei se estou indo pelo caminho certo ou não? Através do feedback.

Aí vem outra questão. Será que aprendemos a receber feedback numa boa ou já nascemos sabendo? Às vezes o Rodrigo conhece um colega dele que parece um monge budista, porque se alguém dá um feedback para ele, por mais grosseiro que seja, por mais rude que a pessoa seja, ele aceita numa boa e segue a vida dele. O Rodrigo fica pensando que se fosse com ele, ele ficaria muito bravo. Ele começa a fazer esse questionamento.

Os autores do livro “Obrigado pelo feedback” nos dizem que não é inato. Ou seja, é uma competência que pode ser desenvolvida. O intuito deste curso é nos ajudar a entender como podemos desenvolvê-las através dos exemplos práticos que veremos, justamente para melhorarmos nossa maneira de lidar com recebimento de feedback e de oferecer feedback.

Feedback no dia a dia - As vantagens de receber melhor os feedbacks

A mente do Rodrigo está a mil por hora. Ele começou a pensar em várias situações. Principalmente quando ele recebe feedbacks e também qual a reação dele quando ele precisa dar feedbacks.

Teve uma situação que aconteceu com ele que quero compartilhar com vocês. Em determinado momento, ele precisou fazer um trabalho na universidade. O professor explicou mais de uma vez para a turma toda o que ele esperava que os alunos entregassem. Quando chegou o dia do Rodrigo entregar o trabalho dele, o professor olhou e disse que ele não tinha feito o que foi pedido. Deu uma baita bronca no Rodrigo.

Ele ficou calado, perplexo, ouvindo tudo aquilo, e foi embora. Enquanto ele estava dirigindo, começou a enumerar todas as coisas que ele discordava daquele professor. “Quem ele acha que é para falar assim comigo?”, “ele não explica as coisas direito”, “eu fiz o que eu achava melhor”. Ele ficou bem chateado.

Teve outra situação em que ele ouviu a cunhada dele falando que achava que o Rodrigo superprotegia a filha dele. O Rodrigo ficou pensando sobre isso. Na verdade, a cunhada não disse com todas essas palavras, mas o filme que passou na mente dele foi exatamente esse.

Como o Rodrigo se sentiu? Ele pode ter ficado triste, incomodado, ou até mesmo irritado. Muitas vezes temos a vontade de sair correndo quando percebemos que vai vir um feedback não tão alinhado com o que esperamos. Mas como somos seres adultos, chega um momento de pensarmos como minimizar essas sensações. Como o Rodrigo pode diminuir essa sensação para não ser refém de quando recebe feedback?

É importante lembrarmos que o feedback não significa que ele precisa aceitar tudo. Se alguém chega para o Rodrigo e fala alguma coisa, ele vai ter que analisar, respirar fundo, dependendo do que foi dito, justamente para não ter aquela reação explosiva e sair correndo. Ele precisa analisar, refletir sobre o que foi dito.

Isso não significa que ele precisa aceitar tudo. Se fez sentido, vou tentar rever o comportamento ou fazer algo diferente. Fica aqui também essa lembrança. Não é porque alguém falou algo que você precisa acatar. Primeiro reflita.

A partir do momento em que o Rodrigo começa a refletir sobre o feedback, ele vai se envolver na conversa, vai fazer escolhas inteligentes, a partir do que foi dito, porque senão viramos um fantoche na mão das pessoas. Começamos a fazer tudo o que todo mundo fala. Lembre-se, feedback é importante, precisamos refletir, mas também precisamos levar isso em consideração.

Outra situação que aconteceu com o Rodrigo. Ele estava na universidade, feliz e contente, e o professor pediu para ele organizar um evento. Um encontro entre os alunos. O professor delegou isso para os alunos, e ele falou com todo mundo. Chegou no dia e nada foi entregue como combinado. O Rodrigo ficou tranquilo, porque ele falou que a parte dele, que era combinar com todo mundo, ele fez. Se os outros não fizeram, azar deles. Azar do evento.

O professor ficou bem decepcionado. Ele não esperava isso do Rodrigo. Se ele confiou, delegou alguma coisa, no mínimo ele esperava que ia sair o que foi solicitado. O Rodrigo já tirou o corpo dele da situação, disse que a culpa não era dele, ele tinha combinado com as pessoas, elas que não se organizaram.

Aí, o professor teve um certo desentendimento do ponto de vista, onde ele chegou para o Rodrigo e expôs a história. “Combinamos isso, não aconteceu”. Os dois cortaram o relacionamento, porque até então eram bem próximos. O professor tinha muita confiança no Rodrigo. A partir deste episódio, parece que cada um foi para o seu canto e as coisas ficaram bem diferentes.

Mas nem tudo está perdido. Nem tudo na vida do Rodrigo é desgraça. Ele trabalhava em uma empresa em que ele tinha certo horário para cumprir. O time geralmente chegava cedo para fazer reuniões e tal, e o Rodrigo sempre se atrasava, porque ele tinha dificuldade de acordar cedo.

Ele foi conversar com o RH e perguntou se tinha algum problema ao invés de entrar às nove, entrar às onze e sair mais tarde. O RH disse que não tinha problemas. Aí o chefe do Rodrigo começou a observar que ele estava todo dia chegando tarde. Foi aí que o Rodrigo explicou a situação.

O chefe dele disse que não tinha problema ter essa dificuldade, que bom que o RH tinha entendido e liberado ele para entrar mais tarde, mas que ele tinha que se lembrar que trabalhava com eles e que o chefe precisava saber o que estava acontecendo, porque eles faziam reuniões sem o Rodrigo presente, ele pensava que o Rodrigo estava atrasado, quando na verdade ele tinha combinado com o RH de trocar o horário. Ele deveria se lembrar de antes de tomar uma atitude de falar com outro setor conversar com o chefe antes, para chegar melhor numa solução.

Deu tudo certo. O Rodrigo realmente entendeu que tinha passado por cima do chefe sem intenção. Ele respondeu “eu entendo, me desculpe, isso não vai acontecer novamente”, porque fez sentido o que o chefe disse naquele momento.

Vale a pena levarmos em consideração que a partir do momento em que conseguimos lidar melhor com o feedback, nossas relações com as outras pessoas funcionam melhor. E a partir desse momento eles continuaram a ter um bom entrosamento, porque houve uma conversa.

Quando falamos de vantagem de receber feedback, vimos que no caso do professor com o Rodrigo teve alguns atritos e eles se afastaram. Nessa vez, com o chefe, em que eles discutiram de forma saudável sobre uma situação, teve um pedido de desculpas, fez sentido para o Rodrigo, e ele começou a lidar melhor com a situação.

Percebemos que quando lidamos melhor com o feedback os relacionamento evoluem, a nossa autoestima também fica mais forte e o aprendizado aumenta, porque começamos a trocar ideia com os outros e isso faz com que nós possamos evoluir como pessoas.

Aqui vale um lembrete sobre o feedback. Tudo isso que estamos vendo é justamente para nos ajudar a lidar melhor com os feedbacks para eles não se tornarem tão ameaçadores, porque a partir do momento em que tive uma experiência ruim através de um processo de feedback, onde por exemplo só recebia críticas e nada era feito para me motivar ou falar que eu estava indo bem, isso começa a me armar. Toda vez que escuto a palavra feedback, já vou pensar que vem bronca. A ideia deste curso é justamente ver situações onde podemos nos colocar no lugar dos personagens e entender melhor como acontece esse processo, justamente para não ficarmos tão armados, conseguirmos lidar melhor com eles e evoluirmos como profissionais e pessoas.

Sobre o curso Feedback: a arte de orientar e ser orientado com sentido

O curso Feedback: a arte de orientar e ser orientado com sentido possui 113 minutos de vídeos, em um total de 68 atividades. Gostou? Conheça nossos outros cursos de Softskills e carreira em Inovação & Gestão, ou leia nossos artigos de Inovação & Gestão.

Matricule-se e comece a estudar com a gente hoje! Conheça outros tópicos abordados durante o curso:

Aprenda Softskills e carreira acessando integralmente esse e outros cursos, comece hoje!

  • 1265 cursos

    Cursos de programação, UX, agilidade, data science, transformação digital, mobile, front-end, marketing e infra.

  • Certificado de participação

    Certificado de que assistiu o curso e finalizou as atividades

  • App para Android e iPhone/iPad

    Estude até mesmo offline através das nossas apps Android e iOS em smartphones e tablets

  • Acesso à Alura Start

    Cursos de introdução a tecnologia através de games, apps e ciência

  • Acesso à Alura Língua

    Reforço online de inglês e espanhol para aprimorar seu conhecimento

Premium

  • 1265 cursos

    Cursos de programação, UX, agilidade, data science, transformação digital, mobile, front-end, marketing e infra.

  • Certificado de participação

    Certificado de que assistiu o curso e finalizou as atividades

  • App para Android e iPhone/iPad

    Estude até mesmo offline através das nossas apps Android e iOS em smartphones e tablets

  • Acesso à Alura Start

    Cursos de introdução a tecnologia através de games, apps e ciência

  • Acesso à Alura Língua

    Reforço online de inglês e espanhol para aprimorar seu conhecimento

12X
R$75
à vista R$900
Matricule-se

Premium Plus

  • 1265 cursos

    Cursos de programação, UX, agilidade, data science, transformação digital, mobile, front-end, marketing e infra.

  • Certificado de participação

    Certificado de que assistiu o curso e finalizou as atividades

  • App para Android e iPhone/iPad

    Estude até mesmo offline através das nossas apps Android e iOS em smartphones e tablets

  • Acesso à Alura Start

    Cursos de introdução a tecnologia através de games, apps e ciência

  • Acesso à Alura Língua

    Reforço online de inglês e espanhol para aprimorar seu conhecimento

12X
R$100
à vista R$1.200
Matricule-se

Max

  • 1265 cursos

    Cursos de programação, UX, agilidade, data science, transformação digital, mobile, front-end, marketing e infra.

  • Certificado de participação

    Certificado de que assistiu o curso e finalizou as atividades

  • App para Android e iPhone/iPad

    Estude até mesmo offline através das nossas apps Android e iOS em smartphones e tablets

  • Acesso à Alura Start

    Cursos de introdução a tecnologia através de games, apps e ciência

  • Acesso à Alura Língua

    Reforço online de inglês e espanhol para aprimorar seu conhecimento

12X
R$120
à vista R$1.440
Matricule-se
Conheça os Planos para Empresas

Acesso completo
durante 1 ano

Estude 24h/dia
onde e quando quiser

Novos cursos
todas as semanas