Motivação: Pirâmide de Maslow

No ambiente de trabalho, o que move a vontade de profissionais estarem no emprego, gerarem bons resultados, cumprirem metas e terem bons desempenhos é a motivação.

Se não há motivação, as chances de ter profissionais satisfeitos são baixas (perceba o quanto a satisfação está ligada diretamente com a motivação), consequentemente, a produtividade e desempenho podem diminuir, o que vai impactar diretamente os resultados da empresa.

Pensando em como lidar com esse contexto que afeta a vida de diversas pessoas, quero compartilhar com você algumas estratégias que podem ser utilizadas para aumentar a motivação dos colaboradores, e uma delas é a Hierarquia das necessidades de Maslow, mais conhecida como Pirâmide de Maslow.

  

Na década de 1940, Abraham Harold Maslow, psicólogo norte americano, apresentou que as necessidades humanas são compostas por uma hierarquia. Para entender as motivações e desejos dos indivíduos, Maslow separou as necessidades mais básicas, das mais elaboradas e as dividiu em: necessidades fisiológicas, de segurança, sociais, estima e de autorrealização.

  

Na base da pirâmide, ficam as necessidades primárias (fisiológicas e segurança), e mais no topo ficam as secundárias (sociais, estima e autorrealização). Para subir os degraus da pirâmide é preciso suprir as necessidades anteriores, por exemplo, para satisfazer a necessidade social, as necessidades fisiológicas e de segurança devem ser supridas.

  • Necessidades Fisiológicas

Aqui estão as necessidades mais básicas do ser humano, das quais todos nós precisamos supri-las para sobreviver e nos manter saudáveis, como a respiração, fome, beber água, dormir, ter onde morar.

  • Necessidades de Segurança

No segundo nível da hierarquia, está a segurança, é a busca da garantia de proteção dos indivíduos, onde buscam segurança em casa, de vida, da saúde, família, estabilidade no emprego.

  • Necessidades Sociais

Onde o indivíduo sente a necessidade de pertencer a um grupo social, engloba o relacionamento com a família, amigos e o relacionamento afetivo.

  • Necessidades de estima

A quarta parte da pirâmide consiste na capacidade dos indivíduos de reconhecerem as suas próprias potencialidades, e de serem aceitos e reconhecidos pelo próximo.

  • Necessidade de Autorrealização

As necessidades mais complexas dos indivíduos se encontram no topo da pirâmide, aqui está a criatividade, os valores, a independência, o autoconhecimento. Neste nível, o indivíduo é capaz de controlar as suas ações, ser capaz de se sentir satisfeita(o) com o que faz e consegue aproveitar o seu potencial.

Podemos observar que as 2 divisões entre as necessidades realmente existem, já que as necessidades primárias: fisiológicas e segurança, são as necessidades que dependem de algo e são influenciadas por algo externo. E as necessidades secundárias: sociais, estima e autorrealização, possuem influências internas, é o que a gente sente.

Agora que já entendemos sobre as necessidades dos seres humanos, podemos pensar em como o ambiente de trabalho pode interferir na motivação de funcionários e funcionárias, e como a área de Gestão de pessoas pode ajudar a desenvolver a Pirâmide de Maslow no cotidiano da empresa e assim garantir que os interesses desses profissionais estejam alinhados com os objetivos da empresa, oferecendo meios onde ambas as partes sejam atendidas, em relação às suas necessidades.

A empresa deve entender em qual degrau os profissionais estão, se há desmotivação por parte dessas pessoas e a fonte dela, e também, identificar quais são as necessidades que não estão sendo supridas e buscar meios para atendê-las, como, por exemplo:

  • Se a organização não garante aos colaboradores um contrato de trabalho estável, bem como os benefícios (como vale-alimentação, plano de saúde ou seguro de vida) e não oferece a essa pessoa o mínimo para arcar com suas próprias despesas, qual é a chance de alguém se sentir motivada a trabalhar em uma organização que não oferece meios para atender suas necessidades mais básicas?

Neste caso, é importante que a organização busque meios de garantir um salário que cubra as necessidades básicas do ser humano, que são as fisiológicas e de segurança. Esse incentivo, faz com que o colaborador ou colaborada se sintam motivados para alcançar o próximo degrau da pirâmide.

Sobre o terceiro degrau da pirâmide, é importante garantir que cada profissional tenha a sensação de pertencimento, ou seja, sentir-se parte do time, o que nos faz pensar no importante papel da empresa em oferecer aos funcionários um clima de pertencimento no ambiente de trabalho, mostrando que todos são necessários e que contribuem para o crescimento da empresa.

Já as necessidades de autoestima, são supridas quando um colaborador recebe bons feedbacks, quando o trabalho dessa pessoa é reconhecido e há recompensas em função disso, como, por exemplo: aumento de salário, promoção ou ainda algum tipo de premiação.

No topo da pirâmide, estão as pessoas que buscam a sua realização profissional. Neste caso, a empresa que visa manter bons profissionais – pois isso representa um ganho estratégico no negócio, precisa oferecer meios que garantam essa permanência, como, por exemplo, um plano de carreira que desafie as competências desses profissionais, lembrando que quanto mais essa necessidade é saciada, mais ela aumenta, o que nos faz pensar nos ganhos que a empresa terá por contar com profissionais cada vez mais motivados e engajados a atender os objetivos que a empresa tem.

Vale ressaltar que esse importante conceito também pode ser aplicado em nossa vida pessoal, descobrindo em qual passo estão os nossos objetivos, e o que podemos fazer para alcançá-los.

Quer saber mais sobre motivação, produtividade e qualidade de vida ? Conheça o curso de Desenvolvimento de Carreira e desenvolva ainda mais seus conhecimentos!

E que tal um mergulho também na Alura+? Acesse o vídeo de Como manter a motivação no dia a dia da equipe.

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão