Alura > Cursos de Data Science > Cursos de Machine Learning > Conteúdos de Machine Learning > Primeiras aulas do curso Keras: primeiros passos em redes neurais

Keras: primeiros passos em redes neurais

O neurônio - Apresentação

Olá! Eu me chamo Mirla Borges, sou instrutora da Alura e te acompanharei no curso de Redes Neurais com Keras.

Mirla é uma mulher branca e jovem de cabelos chacheados e pretos na altura dos ombros. Seus olhos são castanhos e ela usa óculos de grau com armação redonda. Mirla também usa um piercing de argola prata no nariz (septo) e aparelho ortodôntico. Está vestida com uma regata preta e suas unhas pintadas em tom de cinza. Ao fundo, há uma parede verde.

Esse curso é para quem tem interesse em aprender sobre redes neurais e em construí-las utilizando a API do Keras. Para isso, vamos modelar uma MLP para classificar flores. Chegaremos ao final do curso compreendendo:

Para um maior aproveitamento dos conteúdos, é interessante que você tenha alguns conhecimentos em Python e também da biblioteca Matplotlib, Pandas e Sklearn. Vamos lá?!

O neurônio - Neurônio biológico

Durante o projeto do nosso curso, vamos entender e explorar um banco de dados de flores. Esse banco tem como entrada quatro características:

Nós vamos verificar e classificar, de acordo com essas entradas, se a flor Iris é do tipo:

Essas são as três classificações. Resolveremos esse problema das multi classes, utilizando Redes Neurais. Nosso objetivo é construir uma rede neural capaz de classificar o nosso dataset Iris. Eu disponibilizei um Notebook que você pode usar para acompanhar o curso. Ele tem vários textos informativos que serão úteis no processo de construção do código para o nosso modelo neural.

Este Note conta com a representação das nossas folhas, detalhando qual é a área da pétala e da sépala na nossa Iris. A sépala fica mais abaixo e é maior, enquanto a pétala é menor e fica na parte de cima.

Além disso, temos três tipos de flores/Iris: setosa, versicolor e virginica, também com a descrição de onde está a pétala e a sépala. Talvez você esteja se perguntando o motivo de usarmos uma rede neural, sendo que existem vários tipos de modelos de machine learning disponíveis.

Redes Neurais é um subcujunto dentro do grande conjunto de Machine Learning

Nesse conjunto, nós encontraremos outros modelos, como o Support Vector Machine, as Árvores de Decisão, dentre outros.

As redes neurais conseguem ter perfomance melhor que modelos tradicionais em problemas complexos

Por isso, elas são muito utilizadas em:

As redes neurais são muito potentes, suas construções são únicas e utilizam funções que as otimizam, por isso, vamos aprender a construir uma rede neural e solucionar nosso problema do Iris Dataset com o modelo neural.

Antes de construirmos nosso projeto, precisamos entender o que é uma rede neural.

O que é uma Rede Neural

Para aprender o que é uma Rede Neural, vamos nos guiar pela História. As redes neurais não foram inventadas agora, os estudos nessa área acontecem há anos. Quero te contar a história das redes neurais, porque ela é inspiradora e envolve muito estudo, dedicação e pesquisa.

Começando pela História

A história das redes neurais começa em 1943, quando Warren McCulloch e Walter Pitts publicaram o primeiro artigo descrevendo como o neurônio funciona em uma arquitetura. Neste caso, como o neurônio poderia ser descrito?

Funcionamento de um neurônio

Basicamente, um neurônio é constituído por quatro partes principais: Dendritos; Corpo celular; Axônio; e os Terminais sinápticos

Slide intitulado "Funcionamento de um neurônio". Considerando o sentido da propagação, do corpo celular para os terminais sinápticos (de cima para baixo), o desenho do neurônio começa em um hexágono com pequenas linhas/fios nos vértices. Esses fios são os dendritos. Dentro do hexágono, há um círculo que representa o corpo celular. Do hexágono, sai uma única linha/cauda côncava. Por cima da linha, há uma série de elipses concatenadas. Essa cauda corresponde ao axônio. Ela termina em pequenas linhas, chamadas de terminais sinápticos.

Cada uma dessas quatro partes tem uma função. Nós vamos conversar sobre os "Dendritos", o "Corpo Celular" e os "Terminais sinápticos". Um ponto interessante é que o sentido de propagação da informação, isto é, de um impulso elétrico que chega ao neurônio se dá dos dendritos até os terminais sinápticos.

Os dendritos são como uma porta que recebe a informação. Essa informação são os sinais sinápticos que chegam nos dendritos, que estão na extremidade.

Depois, os sinais são enviados ao corpo celular, que processará os sinais considerando a função do neurônio.

Por exemplo, se os neurônios são responsáveis pelo toque, quando pegamos uma caneta e tocamos a bochecha, os neurônios processarão essa pressão na bochecha. É um toque que, provavelmente, não oferece riscos. Enfim, os neurônios localizam e entendem que é só um toque.

O mesmo se aplica ao paladar e o reconhecimento de alimentos doces, salgados. Essa é a função do corpo celular: processar os sinais recebidos. A informação passa pelo axônio e chega aos terminais sinápticos.

Nos terminais sinápticos, o sinal é enviado para outros neurônios. É onde acontece a comunicação com os demais neurônios.

Agora já sabemos como um neurônio funciona. Como os nossos protagonistas criaram uma arquitetura baseada no neurônio?

Quando Wharren e Walter estavam estudando, os computadores não eram tão difusos, a segunda guerra ainda não havia terminado e eles não tinham acesso a computadores. Então, esses pesquisadores construíram uma arquitetura eletrônica, isto é, com base em componentes eletrônicos e assim surgiu, por exemplo, a porta lógica AND.

A porta AND tem entradas, que podem ser X1 ou X2. É nas entradas que ela vai receber o impulso elétrico. Podemos compará-las aos dendritos, que é onde o neurônio recebe os sinais sinápticos. Depois, esses sinais são enviados para uma função que realizará o processamento, da mesma forma que acontece com o corpo celular.

A diferença é que, na porta AND, a função pode ter dois tipos de saídas, isto é, duas classes de saída que, no nosso exemplo, foram nomeadas de classe 〇 (bola) e classe X.

Esse processamento resultará em um desses dois valores e na saída, que é a terceira e última parte da porta AND. Podemos comparar a saída ao Terminal sináptico, local de saída da nossa porta lógica.

Para entendermos melhor essa porta lógica, vamos usar uma tabela chamada Tabela Verdade. Nela, os valores de X1, isto é, as entradas, podem ser valores binários, 0 e 1, e apenas quando há duas entradas do valor 1, o valor de saída é X.

1X
0
01
X1X2Y
00
01
10
11X

Assim, entendemos o funcionamento do neurônio artificial/eletrônico executado por Wharren e Walter.

O neurônio - Neurônio artificial

Vamos voltar ao nosso problema de classificação: a flor Iris. Nós temos três tipos de classes e há uma espécie dessa flor que vai ser um desses tipos, a depender do tamanho de suas pétalas e sépalas.

Podemos considerar a existência de dois tipos de flores/espécies, a do tipo 1 e a do tipo 2. As flores do tipo 1 têm sépalas mais espessas e maiores, principalmente se compararmos com as flores do tipo 2, que têm pétalas mais finas e menores.

Se classificarmos essas flores com base na largura e no comprimento, teremos dois conjuntos de dados. Esses conjuntos serão representados com desenhos das flores dentro de um retângulo.

A partir disso, surge a questão: como ensinar uma máquina a dizer se uma flor é do tipo 1 ou do tipo 2? Como uma máquina pode saber separar esses dois conjuntos?

A resposta é que a máquina parte da ideia de que temos um problema linearmente separável. Se ele é linearmente separável, podemos traçar uma reta diagonal que separa esses dois conjuntos dentro do retângulo. Tudo que está acima da reta são flores do tipo 1.

Portanto, se eu tiver uma flor com largura e comprimento acima da reta, significa que ela é uma flor do tipo 1. Por consequência, tudo que estiver abaixo da reta são flores do tipo 2. Essa divisão está completamente correta. Podemos até fazer um comparativo com o que conhecemos sobre a lógica AND.

1X
0
01

O X é o único que vai aparecer apenas quando tivermos o resultado 1 e 1 nas entradas. Sendo assim, conseguimos dividir as categorias com uma reta diagonal que separa a classe X da classe 〇 (bola). A ideia é construir um modelo que faça a máquina criar a reta de separação e resolva o problema de classificação.

Retomando a História

O problema de classificação foi solucionado por Frank Rosenblatt que, em 1957, desenvolveu a arquitetura computacional Perceptron. A Perceptron consegue simular um neurônio biológico e dividir as classes. Por conta desta criação, Frank é considerado pai do deep learning.

Perceptron: unidade básica da rede neural

O perceptron é a unidade básica da construção de uma rede neural. Todos os estudos que envolveram redes neurais ao longo dos anos tiveram como origem o desenvolvimento do Perceptron. Também podemos dizer que o Perceptron é um modelo neural que associa pesos às entradas e vamos conseguir compreender melhor o que isso significa explorando suas partes.

O neurônio artificial é dividido em cinco partes.

Ainda na segunda parte, um ponto importante é o b*, isto é, o *bias ou viés. O b serve para adicionar um novo viés ao cálculo do modelo. Ele permite que ocorra a construção da reta de separação.

O sentido de propagação da informação é sempre das entradas para a saída. Este sentido se assemelha ao de um neurônio biológico. O aprendizado não se dá de qualquer maneira. Ele acontece nas camadas de soma e ativação.

O aprendizado de um perceptron passa, primeiro, pela função soma. A função soma é, basicamente, um cálculo matemático de soma ponderada dos pesos pelas entradas. Como temos o valor de bias, também o adicionamos nessa equação.

O resultado da soma dos pesos com as entradas será enviado para a nossa função de ativação. Ela retornará um resultado correspondente à saída y. Esse resultado depende muito do tipo de função de ativação utilizada. Essas duas funções, soma e ativação, são muito importantes para o processo de aprendizagem.

Quando a criação é feita, há uma verificação se os valores dos pesos correspondem ou não corretamente com a reta de separação. Mas, como isso é feito? Vamos supor que criamos o Perceptron e ele receberá a largura e o comprimento da flor. Existirá um peso para a largura e para o comprimento, além do valor de bias, que é o nosso viés.

Nós utilizaremos uma equação da reta e realizaremos algumas atividades onde ela será explicada. Por isso, não deixe de ler e fazer as atividades, pois, com elas, compreenderemos como essa equação está associando as entradas e pesos a um valor para a reta.

y igual a menos x vezes iniciafração w1 sobre w2 fimfração menos iniciafração b sobre w2 fimfração

Os valores de w1, w2 e b, correspondentes aos pesos, são alterados constantemente dentro do aprendizado. Supondo que iniciamos nosso Perceptron com valores aleatórios de pesos, por exemplo: w1 -3; w2 = 4; e b = 1. A reta de separação se dará da seguinte maneira:

Gráfico cartesiano intitulado "Perceptron", gerado a partir dos valores: w1 = -3; w2 = 4; e b = 1. O gráfico cartesiano está representado em um retângulo. O eixo x está graduado de 0 a 10, com intervalos de 2. O eixo y está graduado de 0 a 10, com gradações de 2. Uma reta diagonal sai da origem e atravessa o retângulo até o ponto em que y vale aproximadamente 7. Dentro do retângulo há flores do tipo 1 e do tipo 2, mas a reta não separa adequadamente os grupos, de modo que, acima e abaixo dela, temos flores dos dois tipos

O foco da reta está na origem e ela está inclinada de tal forma que não conseguirá separar os conjuntos, isto é, as flores. Não é possível dizer que acima da reta temos um conjunto do tipo 1 e, abaixo da reta, um conjunto do tipo 2. Ela não separa nada, portanto, não é útil.

O modelo Perceptron vai entender que os valores não estão corretos para w1, w2 e b, e vai atualizar os pesos até o momento em que teremos um bom resultado, ou seja, que separe corretamente o problema. No caso, um resultado em que: w1 = 4; w2 = 2; e b = - 28.

Gráfico cartesiano intitulado "Perceptron", gerado a partir dos valores: w1 = 4; w2 = 2; b = -28. O gráfico cartesiano está representado em um retângulo. O eixo x está graduado de 0 a 10, com intervalos de 2. O eixo y está graduado de 0 a 10, com gradações de 2. Uma reta diagonal sai do ponto onde x vale aproximadamente 7 e atravessa o retângulo até o ponto em que x = 2 e y = 10. Dentro do retângulo há flores do tipo 1 acima da reta e do tipo 2 abaixo da reta

Com isso, uma reta foi gerada e ela consegue separar corretamente os dois conjuntos de dados. Desta maneira, é possível solucionar o problema de classificação, pois para qualquer valor inserido para a flor, nós encontraremos o tipo correto de flor.

Sobre o curso Keras: primeiros passos em redes neurais

O curso Keras: primeiros passos em redes neurais possui 146 minutos de vídeos, em um total de 51 atividades. Gostou? Conheça nossos outros cursos de Machine Learning em Data Science, ou leia nossos artigos de Data Science.

Matricule-se e comece a estudar com a gente hoje! Conheça outros tópicos abordados durante o curso:

Aprenda Machine Learning acessando integralmente esse e outros cursos, comece hoje!

Plus

De
R$ 1.800
por
12X
R$109
à vista R$1.308
  • Acesso a TODOS os cursos por 1 ano

    Formações com mais de 1500 cursos atualizados e novos lançamentos semanais, em Programação, Inteligência Artificial, Front-end, UX & Design, Data Science, Mobile, DevOps e Inovação & Gestão.

  • Certificado

    A cada curso ou formação concluído, um novo certificado para turbinar seu currículo e LinkedIn.

  • Mentorias com especialistas

    No Discord, você tem acesso a eventos exclusivos, grupos de estudos e mentorias com especialistas de diferentes áreas.

  • Comunidade exclusiva

    Faça parte da maior comunidade Dev do país e crie conexões com mais de 120 mil pessoas no Discord.

  • Acesso ao conteúdo das Imersões

    Acesso ilimitado ao catálogo de Imersões da Alura para praticar conhecimentos em diferentes áreas.

  • App Android e iOS para estudar onde quiser

    Explore um universo de possibilidades na palma da sua mão. Baixe as aulas para assistir offline, onde e quando quiser.

Matricule-se

Pro

De
R$ 2.400
por
12X
R$149
à vista R$1.788
  • Acesso a TODOS os cursos por 1 ano

    Formações com mais de 1500 cursos atualizados e novos lançamentos semanais, em Programação, Inteligência Artificial, Front-end, UX & Design, Data Science, Mobile, DevOps e Inovação & Gestão.

  • Certificado

    A cada curso ou formação concluído, um novo certificado para turbinar seu currículo e LinkedIn.

  • Mentorias com especialistas

    No Discord, você tem acesso a eventos exclusivos, grupos de estudos e mentorias com especialistas de diferentes áreas.

  • Comunidade exclusiva

    Faça parte da maior comunidade Dev do país e crie conexões com mais de 120 mil pessoas no Discord.

  • Acesso ao conteúdo das Imersões

    Acesso ilimitado ao catálogo de Imersões da Alura para praticar conhecimentos em diferentes áreas.

  • App Android e iOS para estudar onde quiser

    Explore um universo de possibilidades na palma da sua mão. Baixe as aulas para assistir offline, onde e quando quiser.

  • Luri, a inteligência artificial da Alura

    Luri é nossa inteligência artificial que tira dúvidas, dá exemplos práticos, corrige exercícios e ajuda a mergulhar ainda mais durante as aulas. Você pode conversar com a Luri até 100 mensagens por semana.

  • Alura Língua - Inglês e Espanhol

    Aprenda um novo idioma e expanda seus horizontes profissionais. Cursos de Inglês, Espanhol e Inglês para Devs, 100% focado em tecnologia.

Matricule-se

Ultra

12X
R$209
à vista R$2.508
  • Acesso a TODOS os cursos por 1 ano

    Formações com mais de 1500 cursos atualizados e novos lançamentos semanais, em Programação, Inteligência Artificial, Front-end, UX & Design, Data Science, Mobile, DevOps e Inovação & Gestão.

  • Certificado

    A cada curso ou formação concluído, um novo certificado para turbinar seu currículo e LinkedIn.

  • Mentorias com especialistas

    No Discord, você tem acesso a eventos exclusivos, grupos de estudos e mentorias com especialistas de diferentes áreas.

  • Comunidade exclusiva

    Faça parte da maior comunidade Dev do país e crie conexões com mais de 120 mil pessoas no Discord.

  • Acesso ao conteúdo das Imersões

    Acesso ilimitado ao catálogo de Imersões da Alura para praticar conhecimentos em diferentes áreas.

  • App Android e iOS para estudar onde quiser

    Explore um universo de possibilidades na palma da sua mão. Baixe as aulas para assistir offline, onde e quando quiser.

  • Luri, com mensagens ILIMITADAS

    Mensagens ilimitadas para estudar com a Luri, a IA da Alura, disponível 24hs para tirar suas dúvidas, dar exemplos práticos, corrigir exercícios e impulsionar seus estudos.

  • Luri Vision, a IA que enxerga suas dúvidas

    Envie imagens para a Luri e ela te ajuda a solucionar problemas, identificar erros, esclarecer gráficos, analisar design e muito mais.

  • Alura Língua - Inglês e Espanhol

    Aprenda um novo idioma e expanda seus horizontes profissionais. Cursos de Inglês, Espanhol e Inglês para Devs, 100% focado em tecnologia.

  • 6 Ebooks da Casa do Código

    Escolha os ebooks da Casa do Código, a editora da Alura, que apoiarão a sua jornada de aprendizado para sempre.

Matricule-se
Conheça os Planos para Empresas

Acesso completo
durante 1 ano

Estude 24h/dia
onde e quando quiser

Novos cursos
todas as semanas