Storytelling: o que é, quais as principais técnicas e elementos e como criá-lo

Storytelling: o que é, quais as principais técnicas e elementos e como criá-lo
Yasmin de Matos
Yasmin de Matos

Compartilhe

Em um mundo cheio de informações e estímulos constantes, captar e manter a atenção do público é extremamente importante.

Storytelling transcende a mera função de entretenimento, servindo como uma ferramenta crucial para criar conexão e uma comunicação efetiva.

Em linhas gerais, essa técnica utiliza o poder das histórias para influenciar, ensinar e inspirar, tocando tanto o coração quanto a mente das pessoas.

Já deu para perceber que dominar a arte de contar histórias é muito importante não é? Afinal de contas, é a forma de impactar significativamente as perspectivas e comportamentos, além de marcar presença e influência de forma profunda.

Pensando nisso, o objetivo desse artigo é refletir sobre o que é storytelling, especialmente a partir de seus elementos e suas técnicas para colocar em prática.

O que é storytelling?

Storytelling é o processo de usar narrativas para compartilhar conhecimento, capturar interesse ou influenciar emoções e comportamentos.

É uma prática tão antiga quanto a comunicação humana, utilizada em culturas ao redor do mundo para passar tanto tradições quanto sabedoria de geração para geração.

No contexto moderno, storytelling é empregado em marketing, liderança, educação, entretenimento e tantas outras áreas, oferecendo uma maneira poderosa de apresentar ideias de forma que as pessoas não só compreendam, mas também se conectem emocionalmente.

Banner promocional da Semana Carreira Tech, organizada pela Alura e FIAP. Texto: 'Descubra como graduações tech estão transformando o futuro. Cinco lives gratuitas para você mergulhar nas áreas mais transformadoras da atualidade, desde o que se estuda nas graduações até a prática do mercado. Garanta sua vaga de 01 a 05 de julho.' Imagem de profissionais usando equipamentos tecnológicos avançados, como óculos de realidade aumentada. Botão destacado com a chamada 'Garanta sua vaga'. Logotipos da Alura e FIAP no canto superior direito.

Quais elementos do storytelling?

Storytelling eficaz é uma mistura de arte e técnica. A capacidade de contar uma boa história envolve mais do que apenas juntar fatos e eventos; é necessário uma compreensão profunda de como diferentes elementos trabalham juntos para capturar a imaginação do público.

Esses elementos incluem o desenvolvimento da narrativa, a construção de personagens, o estabelecimento de cenário envolvente e uso estratégico de conflitos e resoluções.

Imagem demonstrando os quatro elementos de storytelling, narrativa, personagens, cenário e conflitos e resoluções.

Técnicas de narrativa

Dominar técnicas de narrativa é fundamental para criar histórias que cativem e mantenham o interesse do público. Aqui estão algumas das técnicas mais eficazes:

Estrutura clássica

A estrutura clássica de um storytelling compreende:

  • Introdução: É a apresentação de personagens, do cenário e o estabelecimento do contexto.
  • Desenvolvimento: É a fase onde surgem conflitos e desafios, impulsionando a trama e o desenvolvimento de personagens.
  • Clímax: É o ponto de maior tensão dentre a história, onde o conflito cenral alcança seu pico.
  • Desfecho: Também conhecido como conclusão, é onde ocorre a resolução dos conflitos, oferecendo fechamento que satisfaça a audiência.

Jornada do Herói, de Joseph Campbell

Imagem ilustrativa da Jornada do Herói em 12 passos.
  • Mundo comum: Introdução do herói em seu ambiente familiar.
  • Chamado à aventura: O herói é convocado para enfrentar uma questão ou desafio.
  • Recusa do chamado: O herói hesita ou recusa inicialmente o chamado à aventura.
  • Encontro com mentor: O herói encontra um mentor que o prepara para os desafios à frente.
  • Cruzamento do primeiro limiar: O herói deixa o mundo comum para entrar no mundo especial ou desconhecido.
  • Provações, aliados e inimigos: O herói enfrenta testes, encontra aliados e confronta inimigos.
  • Aproximação: O herói faz preparativos finais antes de um grande desafio.
  • Provação suprema: O ponto crítico da aventura, onde o herói enfrenta a morte ou seus maiores medos.
  • Recompensa: Após enfrentar a morte, o herói é recompensado com um ganho ou aprendizado.
  • O Caminho de volta: O herói decide retornar ao mundo comum.
  • Ressurreição do herói: Uma segunda provação maior onde o herói é purificado e renascido.
  • Retorno com o elixir: O herói retorna ao mundo comum, mas transformado e com o conhecimento ou elixir necessário para beneficiar os outros seres.

Criação de personagens

  • Caracterização profunda: Desenvolvimento de personagens com motivações claras, evolução ao longo da história e profundidade emocional.
  • Arco do personagem: Criação de uma trajetória de transformação visível para personagens principais.

Técnicas de engajamento

  • Ganchos narrativos: Introdução de elementos no início da história que garantam o interesse imediato do público.
  • Cliffhangers: Finalizações de cenas ou capítulos que deixam o público ansioso pelo que virá a seguir.

Diálogo

  • Diálogo autêntico: Utilização de diálogos que soem naturais e contribuam significativamente para o desenvolvimento da trama ou do personagem.

  • Subtexto: Emprego de diálogos que sugiram mais do que é dito explicitamente, adicionando camadas de significado à interação entre os personagens.

Conteúdo narrativo

O conteúdo narrativo é essencialmente o coração de qualquer história, integrando temas, diálogos, descrições de ambiente e as dinâmicas entre personagens que impulsionam a trama.

Assim, é fundamental para estabelecer conexões emocionais e intelectuais profundas com o público, pois reflete as experiências e dilemas humanos universais.

Quanto aos temas universais, como a luta entre o bem e o mal, jornadas de autodescoberta, sacrifícios por amor e a busca por justiça, tais são aspectos do conteúdo narrativo que ressoam com uma ampla audiência.

São poderosos porque tocam em experiências que são comuns a muitas culturas e gerações, permitindo que a história alcance um espectro mais amplo de pessoas.

O diálogo, outro componente crucial, não apenas avança a trama, mas também revela nuances de personagens.

Um diálogo bem elaborado pode expor a personalidade de um personagem, suas motivações internas, suas relações com outros personagens e até mesmo inserir humor ou tensão quando necessário.

A ambientação da história também desempenha um papel significativo no conteúdo narrativo.

Ela não só estabelece o cenário físico, mas também o contexto social e histórico em que os personagens operam.

Isso pode afetar diretamente suas ações e decisões, além de reforçar os temas da história. Por exemplo, um cenário de guerra pode realçar temas de heroísmo e sacrifício, enquanto um cenário futurista pode explorar questões de ética tecnológica e isolamento social.

Conflito é outro motor que impulsiona a narrativa, criando desafios e obstáculos para os personagens superarem.

Pode ser interno, como dilemas pessoais ou lutas emocionais, ou externo, como conflitos com outros personagens ou a própria natureza.

Esses conflitos não só mantêm a história em movimento, mas também são essenciais para o desenvolvimento do personagem e da trama.

O arco narrativo, que abrange desde a introdução e o desenvolvimento até o clímax e a resolução, depende fortemente de uma sequência bem construída de eventos conflitantes para manter o interesse do público.

Por fim, o subtexto enriquece a narrativa ao adicionar uma camada de significado que não é explicitamente declarado.

Esse aspecto do conteúdo narrativo permite que o público faça suas próprias interpretações e conexões, tornando a experiência mais pessoal e envolvente.

Ele pode ser usado para adicionar profundidade aos personagens ou à trama, oferecendo uma experiência de leitura ou visualização mais rica e gratificante.

Fluidez

A fluidez em storytelling é crucial para manter o público engajado e garantir que a narrativa seja compreendida sem dificuldades.

Este aspecto do storytelling refere-se a como a história se desenvolve de maneira suave e lógica, mantendo um ritmo que cativa o público e mantém sua atenção.

Para isso, existem alguns elementos essenciais, como:

  • Transições suaves: Cruciais para a manutenção da imersão na história, as transições entre cenas ou capítulos devem ser fluidas, evitando rupturas abruptas que podem confundir ou distrair o público. Utilizar ganchos narrativos no final de capítulos ou cenas pode criar uma expectativa que mantém o interesse e a curiosidade.

  • Pacing adequado: O ritmo com que a história progride é fundamental para a fluidez. É importante equilibrar a dinâmica da narrativa para que ela não se torne nem demasiadamente rápida, o que pode fazer com que detalhes importantes se percam, nem excessivamente lenta, o que pode torná-la tediosa. Alternar entre momentos de alta e baixa tensão pode ajudar a manter o público envolvido enquanto fornece espaços para a absorção dos eventos

  • Clímax bem colocado: O clímax deve surgir como o ponto culminante de um aumento gradual da tensão ao longo da narrativa. Uma construção eficaz para esse momento crítico deve fluir naturalmente dos eventos que precedem, garantindo que o clímax não apenas faça sentido dentro da história, mas também proporcione um impacto emocional máximo.

  • Coerência narrativa: A história deve ser consistente em seus termos, com todos os elementos, desde o desenvolvimento de personagens até a progressão dos eventos, contribuindo para o avanço da trama de forma significativa. A coerência é chave para criar um mundo narrativo convincente e credível, onde as ações e motivações dos personagens são compreensíveis e justificadas.

Como criar um storytelling?

Ao embarcar na criação de um storytelling eficaz, é crucial seguir uma série de passos estruturados que venham a garantir a entrega de uma narrativa envolvente e impactante:

Defina o objetivo da história

Deixe claro o que você deseja alcançar com a narrativa. Este objetivo vai orientar todas as decisões no processo criativo, desde a escolha do formato até o desenvolvimento do conteúdo.

Conheça seu público-alvo

Entender quem são as pessoas ouvintes ou leitoras é fundamental. Isso influenciará desde a escolha da linguagem até a complexidade da trama, garantindo que a história ressoe com aquelas pessoas que você deseja atingir.

Escolha o formato apropriado

Selecione o meio através do qual a história será contada. Isso pode variar entre textos, vídeos, podcasts ou até mesmo apresentações multimídia, dependendo de onde seu público está mais concentrado e do tipo de mensagem que você está transmitindo.

Desenvolva personagens e enredos

Os personagens são o coração da sua história. Crie personagens bem desenvolvidos e um enredo que mantenha o público engajado.

Certifique-se de que as ações e evolução dos personagens estejam alinhadas com o objetivo principal da narrativa.

Construa um mundo crível

Mesmo em histórias fantásticas, o mundo apresentado precisa ser lógico e consistente. A ambientação deve complementar a trama e ajudar a imergir o público na experiência.

Inclua conflitos e obstáculos

O conflito é essencial em qualquer narrativa, pois é ele que propõe desafios aos personagens e mantém as pessoas interessadas. Esses desafios podem ser internos ou externos.

Revise e refine

A revisão é uma etapa crítica do processo de storytelling. Utilize o feedback de pares ou de representantes do público-alvo para refinar a história, aprimorando aspectos como clareza, coerência e impacto emocional.

Distribua e avalie a resposta

Após finalizar a história e polir todos os seus elementos, compartilhe-a no canal escolhido e monitore as reações do público.

As respostas obtidas podem fornecer insights valiosos para futuras narrativas ou melhorias em projetos atuais.

Formas de começar um storytelling

Iniciar uma narrativa de maneira eficaz é essencial para capturar e manter a atenção do público desde o início.

Existem várias técnicas que podem ser utilizadas para começar uma história, cada uma adaptável ao contexto e ao público-alvo.

Product Placement

Product placement, ou colocação de produto, é uma técnica sutil de incluir produtos de marca diretamente na narrativa.

Isso pode ser feito de maneira que complemente a história, agregando realismo ou reforçando a mensagem sem parecer forçado ou intrusivo.

Por exemplo, um personagem pode usar um produto específico que é central para o desenvolvimento da trama ou para a resolução de um conflito.

Narratologia

Utilizar estruturas narrativas clássicas, como a Jornada do Herói de Campbell, pode ser uma maneira poderosa de iniciar uma história.

Essas estruturas oferecem algo anteriormente testado e comprovado que guia o público através de uma sequência familiar de eventos, mas com espaço suficiente para inovação e criatividade.

Personalidade da marca

Contar histórias que refletem a personalidade e os valores de uma marca pode ajudar a fortalecer a identidade da marca e aumentar a fidelidade do consumidor.

Ao começar uma história, apresente elementos que são emblemáticos para a marca, como sua missão, visão ou valores, de modo que o público possa imediatamente reconhecer e conectar-se com a narrativa.

Cultura pop

Referências à cultura pop podem ser uma forma eficaz de começar uma história, especialmente para engajar audiências mais jovens ou mais ligadas às tendências atuais.

Utilizar personagens, situações ou temas conhecidos da cultura popular pode criar um vínculo instantâneo com o público, tornando a história mais acessível e atraente.

Como escolher a melhor forma de conteúdo para o storytelling?

Escolher o formato correto para contar sua história é crucial para garantir que ela atinja e ressoe com seu público da maneira desejada.

Informativo

Histórias informativas são ideais para educar o público sobre um tópico específico. Elas devem ser precisas, bem pesquisadas e apresentadas de maneira clara para facilitar a compreensão e o aprendizado.

Serviço

Narrativas focadas em serviço são úteis para explicar como usar um produto ou serviço. Elas devem ser práticas, diretas e fornecer passo a passo detalhados ou insights sobre como resolver problemas comuns.

Comunicação

O storytelling de comunicação é utilizado para transmitir mensagens importantes ou novidades sobre uma empresa ou produto.

Deve ser cativante, memorável e transmitir claramente a mensagem central para garantir que o público compreenda e retenha as informações essenciais.

Por meio dele é até mesmo possível se destacar na área comunicativa.

Entretenimento

Histórias com o propósito de entreter devem ser envolventes, criativas e proporcionar uma fuga para o público.

Elas podem variar desde narrativas profundas e emocionais até histórias leves e humorísticas.

Qual é a importância do storytelling?

Storytelling é uma ferramenta poderosa para comunicação e marketing, pois não só informa, mas também evoca emoções e promove uma conexão mais profunda com o público.

Histórias podem influenciar opiniões, inspirar ações e moldar comportamentos de maneira mais eficaz do que a apresentação de fatos ou dados isolados.

Exemplos de storytelling

Exemplos notáveis de storytelling incluem campanhas publicitárias como a "Share a Coke" da Coca-Cola e a série "Retratos da Beleza Rara" da Dove.

Ambas as campanhas usaram histórias pessoais e emocionais para criar conexões profundas com os consumidores, aumentando significativamente o engajamento e a lealdade à marca.

Campanha Share a Coke da Coca-cola.
Campanha Retratos da Beleza Rara da Dove.

Como aprender a criar storytelling de forma gratuita

Há uma abundância de recursos online gratuitos que podem ajudar aspirantes a storytellers a aprimorar suas habilidades.

Blogs, tutoriais em vídeo por meio de, por exemplo, youtube e webinars oferecem orientações práticas, enquanto plataformas como Gov.br oferecem cursos gratuitos em narrativa e escrita criativa, como a [Escola Virtual com o curso introdutório Storytelling com Dados para Comunicação Profissional de Sucesso.

Curso da Alura sobre storytelling

Para aqueles que procuram uma abordagem mais estruturada, a Alura oferece o curso completo sobre storytelling: Storytelling: visão de negócios e desenvolvimento pessoal, sendo que tal curso abrange desenvolvimento de narrativa envolvente e eficiente, segredo por trás de roteiros de grandes estúdios cinematográficos, assim como etapas-chave e estruturas para desenvolver histórias.

Bons estudos :)

Yasmin de Matos
Yasmin de Matos

Yasmin é estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas na UNINTER. Atualmente, faz parte do Scuba Team de UX e Design na ALURA. Seu amor pelo aprendizado não conhece limites, abrangendo desde linguagens élficas até os vastos campos da astronomia. Verdadeiramente apaixonada por tudo que é geek, Yasmin encontra alegria em livros, games, e uma gama variada de assuntos. E pode encontrar a Yaz nas redes sociais como @yazmatoz

Veja outros artigos sobre UX & Design