E-commerce e Marketplace: saiba as principais diferenças e qual utilizar

E-commerce e Marketplace: saiba as principais diferenças e qual utilizar
Thalyta Onimaru
Thalyta Onimaru

Compartilhe

Roupas, aparelhos eletrônicos e até mesmo itens de mercado, com o avanço da tecnologia e o crescimento de lojas online tem se tornado cada vez mais comum realizar todo tipo de compras na internet.

Neste cenário, ''marketplace'' e ''e-commerce'' se tornaram palavras comuns no vocabulário dos negócios digitais. Mas você conhece a diferença teórica e prática destes elementos? Para entender de maneira aprofundada, vamos mergulhar no universo das vendas online!

O "boom" das vendas online

Se as compras pela internet já eram um costume entre brasileiros, este hábito cresceu ainda mais durante a pandemia do Covid-19. Com o isolamento social, tornou-se comum consumir todo tipo de produto online, desde itens importados até produtos de alimentação básica. Não à toa, esta prática tornou o Brasil o país líder no ranking de crescimento de compras online, com 22,2% durante o ano de 2022, segundo dados da CupomValido.

Com o crescente progresso das vendas online, centenas de marcas têm mudado suas estratégias e dezenas de lojas que atendem somente pela internet surgem diariamente. Mas afinal, sua marca deve investir em um E-commerce ou um Marketplace? Entenda agora a diferença entre os serviços online!

Banner promocional da Semana Carreira Tech, organizada pela Alura e FIAP. Texto: 'Descubra como graduações tech estão transformando o futuro. Cinco lives gratuitas para você mergulhar nas áreas mais transformadoras da atualidade, desde o que se estuda nas graduações até a prática do mercado. Garanta sua vaga de 01 a 05 de julho.' Imagem de profissionais usando equipamentos tecnológicos avançados, como óculos de realidade aumentada. Botão destacado com a chamada 'Garanta sua vaga'. Logotipos da Alura e FIAP no canto superior direito.

O que é um e-commerce?

É um erro comum acreditar que toda forma de venda feita pela internet se origina de um e-commerce, mas esse famoso comércio eletrônico abrange somente produtos de uma marca específica, seja ela fabricante ou revendedora.

Por exemplo, imagine que você deseja comprar um perfume específico de uma determinada marca. Você então acessa o site da empresa, que conta somente com vendas de seus próprios produtos. A plataforma acessada se trata de um e-commerce.

Além de ser um mercado em constante crescimento, a grande procura e a liberdade com o estoque são algumas das vantagens que destacam a plataforma.

De maneira geral, o processo de abertura de um e-commerce é muito semelhante ao de um comércio. Além de um investimento inicial para a criação de uma plataforma, é necessário possuir um local para o estoque e organizar registros e alvarás, como:

  • Alvará de funcionamento da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros;
  • CNPJ válido;
  • Registro na Junta Comercial;
  • Registro na Secretaria da Fazenda.

Ademais, é importante investir em um bom planejamento para a logística de entregas, planejamento dos produtos e uma forte estratégia de marketing digital, uma vez que o meio online será seu local de vendas.

O que é Marketplace?

Assim como e-commerce, o marketplace é uma plataforma online utilizada para vendas. Entretanto, seu principal diferencial é a presença de diversas marcas em um só local, sendo possível até mesmo a venda dos mesmos produtos com preços variados.

De maneira geral, podemos definir o marketplace como um shopping online. Ao acessar a plataforma, a pessoa consumidora terá acesso a diferentes produtos e variadas marcas, podendo optar pela escolha seguindo seus gostos e preferências.

Um clássico exemplo de marketplace é a plataforma Shopee, que conta com vendedores nacionais e internacionais, diversas categorias de produtos e constantemente oferece cupons de desconto e fretes gratuitos para incentivar o crescimento das compras.

De maneira geral, a abertura de um marketplace não se diferencia muito de um e-commerce. A principal diferença é que as marcas presentes em um marketplace são vistas como prestadores de serviços, sendo necessário pagar taxas para permanecer na plataforma. Por se tratar de um prestador de serviço, o investimento inicial tende a ser menor, assim como a parte burocrática, sendo necessário somente os seguintes registros:

  • Inscrição municipal;
  • Registro em Junta Comercial, Receita Federal e Ministério da Fazenda.

As principais diferenças

Como observamos, a principal diferenciação entre um e-commerce e um marketplace é a quantidade de vendedores presente em cada plataforma. Entretanto, podemos observar outras distinções:

  1. Investimento: diferente do e-commerce, o marketplace não exige a criação de um site, sendo necessário somente se filiar à plataforma para iniciar as vendas. Isso, somado a burocracia menor e um estoque reduzido, tornam o investimento do marketplace mais acessível.
  2. Segurança: é importante garantir um ambiente seguro e com proteção de dados às pessoas que utilizam a plataforma. Para os vendedores de e-commerce, a responsabilidade é maior, sendo necessário possuir mecanismos que evitem a vulnerabilidade das informações, diferente do marketplace, que já possui serviços de guarda de informações incluso em sua interface.
  3. Concorrência: o Brasil é um dos países com o maior número de negócios online. Por isso, muitas vezes se torna difícil se destacar e se diferenciar. Essa dificuldade é atenuada quando há outros vendedores com produtos semelhantes, como é o caso do marketplace. Por isso, é necessário buscar constantemente novas formas de destaque, como preços mais baixos, frete gratuito e produtos de qualidade. Por outro lado, o e-commerce abrange somente os produtos da marca, tornando a competitividade menor.
  4. Marketing: é comum que plataformas de marketplace invistam em publicidades pagas, trazendo uma perceptibilidade grande para as marcas ali presentes. Entretanto, a visibilidade não necessariamente abrangerá todas as lojas, sendo necessário buscar outras formas de destaque, como investindo em redes sociais ou campanhas dentro do marketplace. No caso do e-commerce, o vendedor pode focar na divulgação de seu site, tornando mais fácil que as pessoas encontrem a marca.
  5. Lucratividade: Em troca dos serviços fornecidos pela plataforma, como divulgação, segurança e praticidade, os vendedores de marketplace pagam uma porcentagem em cada venda efetuada, o que pode afetar a lucratividade, apesar do grande volume de vendas que pode ser realizado com a ferramenta. Por outro lado, os vendedores de e-commerce não pagam porcentagem em suas vendas, mas precisam arcar com outros custos, como manutenção da plataforma de vendas. Por isso, podemos dizer que não tem uma plataforma que seja mais vantajosa, tudo dependerá das suas estratégias, mercado e negócio.

Qual escolher? Marketplace ou E-commerce?

Agora que você já conhece as características e as diferenças entre os modelos de vendas online, fica a dúvida: qual o melhor para seu negócio?

Não existe segredo ou resposta correta, a escolha entre o marketplace e o e-commerce vai depender de um elemento principal: sua marca.

Através da análise aprofundada do seu negócio, será possível determinar quais as necessidades da sua empresa, seu foco em vendas, seu trabalho de divulgação e qual o melhor formato para distribuir seus produtos.

Quer saber mais sobre o tema? Confira nossa formação de E-commerce e nosso curso de marketplace.

Thalyta Onimaru
Thalyta Onimaru

Thalyta Onimaru é Secretária Executiva de formação e comunicadora por vocação. Sua paixão por aprender e ensinar abrange diversas áreas, incluindo social media, marketing e inovação, que ela compartilha com entusiasmo com equipes e negócios. Atua como monitora na Alura, onde não só compartilha seu conhecimento, mas também continua sua jornada de aprendizado. Fora do mundo profissional, dedica seu tempo a romances água com açúcar e longas maratonas de filmes de Star Wars.

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão