Peça um orçamento Login
Artigo

Employee Experience: pilares da experiência do colaborador

Redação Alura

Neste artigo você verá a importância do Employee Experience para as empresas, principalmente em setores com alta competitividade por talentos, como o de tecnologia: o que é, impactos em Employer Branding, Recrutamento e Seleção e Retenção de Talentos, principais ferramentas e indicadores e o futuro da experiência dos colaboradores.

Em seu relatório sobre Employee Experience de 2021, a The Josh Bersin Company começa:

“Você pode ganhar a nova guerra por talentos? Você não irá se pensar que é sobre dinheiro, títulos ou segurança de emprego. A era pós-pandêmica está rapidamente sendo definida pela experiência do colaborador: como sua organização constrói a forma como as pessoas trabalham e vivem, de produtividade a flexibilidade, bem-estar, saúde e tudo o que há em torno disso.”

Isto significa que as estratégias precisam ser revistas, sobretudo em mercados altamente concorridos como o de tecnologia. É claro que dinheiro e segurança ainda importam, mas já não suficientes para garantir a retenção de talentos.

Então o que seria?

Criar experiências positivas tem sido a estratégia de grandes empresas tanto na conquista de pessoas consumidoras (Customer Experience) quanto na conquista do público interno (Employee Experience).

Por essa razão, é preciso pensar na jornada de colaboradores e colaboradoras junto à empresa, do processo de recrutamento e seleção ao offboarding. Continue o artigo para saber mais!

pessoas dando as mãos representando a cultura de uma empresa que investe em Employee Experience

O que é Employee Experience

A tradução de Employee Experience é experiência do colaborador, ou seja, o relacionamento que a empresa desenvolve com colaboradores e colaboradoras, e a jornada experimentada, sentida, vivenciada por essas pessoas ao longo de suas funções junto à empregadora.

Assim as pessoas criam relações umas com as outras, que podem ser positivas, tóxicas, curtas ou duradouras, elas criam relações com a personificação da empresa e a marca empregadora.

VEJA TAMBÉM:

Como mencionamos antes, pensar na Employee Experience, na fidelização de pessoas colaboradoras é uma tendência mundial, a qual reflete também mudanças sociais.

Os anos de pandemia evidenciaram a necessidade de um alinhamento maior entre a vida pessoal e a vida profissional. Isto porque, muito embora a ficção possa trazer uma ruptura entre estes aspectos da vida - como é possível ver na série “Severance” da Apple TV -, a realidade é outra.

E se a intersecção entre os campos profissionais e pessoais se evidenciaram, também o mercado aquecido deu a algumas pessoas maior poder de escolha sobre onde e como trabalhar.

Por isso, é importante ressaltar que o Employee Experience começa já nos primeiros contatos da pessoa com a empresa, quando passa pelo processo de recrutamento e seleção e é admitida.

Por que investir na jornada do colaborador e da colaboradora na área de tecnologia

As ações de Employee Experience contribuem para fidelizar pessoas colaboradoras junto às organizações, criando um elo que contribui para que talentos, pessoas de alto desempenho, queiram continuar naquele local de trabalho.

Segundo a pesquisa referenciada da The Josh Bersin Company, empresas que desenvolvem um Employee Experience positivo possuem:

  • 2,2x mais chances de superar a meta financeira;
  • 2,4x mais chances de encantar pessoas consumidoras;
  • 4,3x mais chances de inovar com eficiência;
  • 5,1x mais chances de criar um senso de pertencimento, engajar e reter talentos;

Inclusive, já falamos sobre a importância do senso de pertencimento em um artigo sobre crescimento exponencial e team building.

Vejamos os benefícios de uma estratégia de Employee Experience:

Employer Branding

Falar de Employee Experience é também falar de Employer Branding, isto é, sobre as estratégias de posicionamento da marca empregadora.

Vejamos, por exemplo, uma empresa que gostaria de ser reconhecida por suas ações de diversidade e inclusão. Ela faz diversas publicações, campanhas em datas especiais. Porém, casos de preconceito interno já se tornaram públicos, mostrando que a experiência interna não dialoga com o discurso externo.

O Employee Experience reflete diretamente na imagem da empresa e precisa dialogar com a história que a organização quer contar para seu público. Assim como a experiência dos colaboradores pode negar um discurso, pode ser também uma prova social de como a empresa se importa com as pessoas.

Os resultados disso?

O retorno é visto em processos de recrutamento e seleção, nas pessoas que falam abertamente: “eu gostaria de trabalhar com essa empresa”. Mas também é visto na retenção de talentos, em pessoas que, mais do que apenas trabalhar para a empresa, são embaixadoras dela. Pessoas que dizem: “eu tenho orgulho de trabalhar para essa organização”.

Recrutamento e seleção tech

O mercado de tecnologia enfrenta um grande desafio: a escassez de talentos. De fato, há muitos profissionais disponíveis no mercado, mas nem todos estão preparados, ainda, para as demandas das empresas, levando a busca direcionada aos profissionais com maior experiência.

Contudo, com tantas empresas e suas metas, tantas organizações em busca das mesmas pessoas, como se diferenciar?

Como o relatório da The Josh Bersin Company citado antes, nem sempre o diferencial será só pelo dinheiro. O Employee Experience é uma chave para isso.

Se pensarmos no que falamos antes sobre Employer Branding, quanto mais pessoas falando sobre suas experiências positivas, mais pessoas vão desejar também fazer parte dessa comunidade.

Seth Godin escreve em seu livro “Tribos: nós precisamos que você nos lidere”:

“Os seres humanos não conseguem evitar: nós precisamos pertencer. Um dos nossos mecanismos de sobrevivência mais poderosos é fazer parte de uma tribo, contribuir para (e se beneficiar de) um grupo de pessoas com uma mesma opinião. Nós somos atraídos para os líderes e suas ideias, e não conseguimos resistir à pressa de fazer parte e à emoção do novo.”

E se as empresas se tornarem essas lideranças em seus nichos? E se as empresas despertarem esse desejo de fazer parte?

Turnover e retenção de talentos

E sem dúvidas, a principal razão de apostar no Employee Experience está aqui: a retenção de talentos.

O turnover tem sido um dos maiores obstáculos para times de gestão de pessoas. Pessoas estão massivamente saindo de seus empregos em busca de novas oportunidades, principalmente de desenvolvimento e reconhecimento.

Sendo assim, a causa da alta rotatividade de profissionais também pode estar no Employee Experience.

Será que a sua empresa atende às expectativas de quem atua com ela?

Por exemplo, de acordo com estudo do Robert Walters Group, 73% dos profissionais já deixaram alguma emprego em função da cultural organizacional. E o Employee Experience é diretamente influenciado pela cultura da empresa.

Pensar em como colaboradores e colaboradoras vivenciam suas jornadas de trabalho, portanto, é essencial para o crescimento corporativo e para a fidelização de talentos.

Como melhor a experiência do colaborador e da colaboradora de tecnologia

A pesquisa da The Josh Bersin Company trouxe as melhores práticas para o Employee Experience segmentadas em três grandes campos:

  • Saúde e bem-estar;
  • Transformação adaptativa;
  • Business Agility;

No primeiro setor, temos os cuidados físicos e psicológicos não apenas com as pessoas colaboradoras, mas também com suas famílias. Afinal, o ambiente pessoal em que a pessoa vive reflete também no profissional.

Outro ponto bastante relevante na atualidade é o cuidado com a sobrecarga de trabalho e o burnout. Portanto, acompanhe como estão: divisão de responsabilidades, realização de horas extras excessivas, clima organizacional, entre outros pontos que podem influenciar no bem-estar psicológico.

O segundo setor diz respeito à capacidade da organização de se transformar e se adaptar aos diferentes cenários.

Por exemplo, será que a equipe de desenvolvimento dará conta do roadmap ou é hora de contratar novos talentos que agreguem às habilidades do time. De igual forma, é preciso acompanhar aspectos técnicos, como equipamentos, tecnologias e metodologias aplicadas no trabalho.

Por fim, o terceiro setor está relacionado à cultura da empresa, à sua missão e à sua agilidade de negócio. Para isso, é interessante entender como as pessoas se relacionam à velocidade na tomada de decisões e às metas da empresa.

Se você quiser saber mais sobre isso, temos um artigo completo sobre Business Agility.

Ferramentas e indicadores de Employee Experience

As ferramentas de Employee Experience são variadas e vão de tecnologias de RH já mais comuns, como plataformas de gestão de pessoas e pesquisas de clima organizacional, a ferramentas específicas para as áreas. Vale lembrar a necessidade do olhar sobre os instrumentos de trabalho para melhoria da experiência de colaboradores e colaboradoras.

Já no que se refere a indicadores de Employee Experience, são alguns relevantes:

  • Turnover e rotatividade;
  • Absenteísmo;
  • NPS
  • Eficiência em contratações;
  • Taxa de indicações internas;
  • Engajamento em ações corporativas, entre outros.

Veja e acompanhe os principais dados de gestão de pessoas com um guia de indicadores exclusivo da Alura Para Empresas.

O futuro do Employee Experience

Em 2019, Jacob Morgan falou que o futuro do Employee Experience era fazer uma virada de pensamento: deixar de pensar no ambiente de trabalho como um local em que as pessoas precisam trabalhar e pensar nele como um ambiente em que as pessoas querem trabalhar.

De fato, em 2019, não havíamos passado por uma pandemia ainda. O trabalho remoto, o relacionamento através de tela, não havia crescido tanto e exigido uma reformulação das formas de comunicação corporativas. Não havíamos passado por demissões massivas, onde, sim, muitas pessoas não tiveram escolha sobre seus trabalhos.

Contudo, o pensamento ainda é atual. As alternativas aumentaram. A competitividade por talentos cresceu. E as empresas precisam conquistar os talentos para além da necessidade de “ter um trabalho”. Precisam dialogar, entender suas necessidades, mas também entender os seus desejos profissionais e pessoais.

Isto passa por oferecer salários condizentes, por oferecer uma ambiente seguro (física e psicologicamente) e também por pensar nas carreiras como uma jornada. Como as pessoas podem crescer junto à empresa? Como elas podem ser reconhecidas e ganhar algo que vai além de benefícios monetários?

Assim, pensar no desenvolvimento das pessoas também faz parte do futuro do Employee Experience. Vale lembrar a citação de Seth Godin: as pessoas querem fazer parte de um grupo, contribuir com ele, mas também crescer com ele.

Quer saber mais sobre o mercado de tecnologia e educação corporativa? Receba a newsletter da Alura Para Empresas com insights mensais, direto em sua caixa de entrada!

Referências

  1. GODIN, Seth. Tribos: nós precisamos que você nos lidere. Rio de Janeiro: Alta Books, 2013.

Estas empresas confiam na Alura para Empresas

Junte-se a mais de 5000 empresas que já capacitaram seus times com nossas formações.

  • Logo daa Dasa class=