Primeiras aulas do curso Redesenho de logo: a expressão gráfica do rebranding

Redesenho de logo: a expressão gráfica do rebranding

Por que redesenhar a marca? - Introdução

Olá, meu nome é Rafael Balbi. Sou instrutor de design e ilustração aqui na Alura, e nós estamos começando agora o curso de "Redesenho de Marca.

No caso nós vamos redesenhar o logo do "Bytebank", é um material que nós já temos aqui na Alura, nós já trabalhamos ele em quatro cursos de identidade visual. Nós partimos do logo, nós desenvolvemos a identidade de visual baseados nesse logo, e teve pessoas que criaram um manual de marca tudo baseado em pesquisas que fizemos a respeito do nosso cliente para entender como ele precisava se posicionar no mercado, e como a identidade visual refletiria isso.

Só que chegou em um ponto em que o cliente nos procurou dizendo que a marca não estava mais funcionando muito bem para ele, por alguns motivos, nós teríamos que entender esses motivos para poder continuar de novo, então nós fizemos isso, nós passamos a conversar como o cliente e buscamos solução para ele.

No final nós chegamos nesse resultado aqui. Nós entendemos que precisava mudar e fizemos algumas mudanças bem pontuais para chegar nisso aqui, que são os logos em várias versões, e aplicações dele no mundo real para o cliente analisar para se ele realmente quer isso aqui.

Ele gostando, nós passamos os arquivos para ele fechados para que ele possa utilizar e eventualmente nos contratar para fazer um manual de marca, e fazer a identidade visual completa. Mas não é o caso, nesse curso nós viemos até a entrega do logo, com algumas sugestões de aplicação.

É importante que nós vamos aprender aqui a separar o que é o nosso gosto pessoal de decisões importantes de design. Ou seja, nós vamos estudar, pesquisar o nosso cliente, e vamos entender as necessidades de redesenho de marca dele, do que vamos aproveitar, do que é necessário aproveitar da identidade visual anterior, e do que são os desafios a frente que vamos precisar encarar.

Então tudo que vamos fazer não é baseado no gosto pessoal mas em um estudo muito aprofundado, e você vai ver a diferença de decidir das duas formas. Entre decidir pelo que você prefere e decidir o que é mais apropriado em termos de design.

Enfim, espero que você curta o curso, faça os exercícios que vão ser fundamental para o seu aprendizado, não só para a fixação dos conceitos, mas também para você entender todo esse processo da criação do logo.

No fim você vai entender um pouquinho também do relacionamento com o cliente, das etapas do relacionamento com o cliente, e como é que faz uma entrega.

É claro que isso tudo pode ser aprofundado, cada um desses termos como entrega, relacionamento com o cliente, isso tudo você pode aprofundar em outros cursos aqui na Alura, mas o nosso objetivo é chegar até esse ponta aqui, em que o cliente pode pegar o logo novo dele com a marca que ele pode começar explorar para ver se agora funciona para esse novo momento do Bytebank.

Por que redesenhar a marca? - Por que redesenhar?

Vamos começar a trabalhar o redesenho da marca. Nós fomos contactados pelo Bytebank, que é um banco virtual. Esse banco nós já trabalhamos com ele, nós fizemos no passado todo um trabalho, desde o símbolo dele até o manual de marca prontinho, e todo esse trabalho teve um resultado interessante, mas depois de três meses ele nos contactou falando: "Eu quero redesenhar a nossa marca. Eu quero redesenhar o nosso logo."

Toda essa identidade visual nós vamos ter que entender e retrabalhar ela, só que como nós fazemos isso?

Ele fala que manda o manual de marca em anexo. Nós que fizemos, obviamente nós temos o manual de marca, mas ele mandou por precaução. Eu vou pegar aqui o manual de marca para nós darmos uma olhada.

Aqui está o manual de marca que nós fizemos com eles, nós desenvolvemos em conjunto fazendo pesquisas com eles, nós fizemos todo um trabalho no desenvolvimento. O interessante é que você já deve ter visto por que esses cursos são pré-requisitos para esse curso aqui.

Partimos de um índice mostrando os pontos que achamos relevantes para explicar nessa identidade visual que é o símbolo, o logo, as cores, o símbolo na verdade é sinônimo de logo, mas no caso aqui o logo é o diminutivo para logotipo, no caso, então estamos aqui trabalhando com o símbolo primeiro, primeiro mostrar como faz só a parte gráfica do logotipo, depois a parte tipográfica do símbolo.

Então aqui nós temos essa grade de quatro por quatro, nós temos a unidade que é um quadrado, que seria um bit, que reorganizado aqui com outros oito quadrados, se for ver um faria oito quadrados, oito bits, e faria um byte, que é o Bytebank. Então nós poderíamos ter várias formas de reorganizar esses bits aqui dentro dessa malha, isso representa o que é o Bytebank.

Nós temos várias possibilidades, nós queremos que use mesmo essas possibilidades, nós até sinalizamos isso no manual de marca, nós queremos que essa versatilidade apareça, que ficasse bem claro na aplicação.

Então se você pega um cartão o símbolo do Bytebank vai estar diferente do símbolo do Bytebank do celular, que vai ser diferente do impresso, então de repente você vai ver sempre esse símbolo mudando apesar de manter a tipografia, Bytebank sempre igual, o símbolo sempre muda.

Então, aqui algum jeito de como não pode se apresentar o logo, o símbolo na verdade. Aqui o logotipo como construir. A tipografia como é. As proporções. E assim vai, nós pegamos aqui redução máxima. Como pode de repente distorcer o logo, como não pode. Aqui vem as cores e as combinações de cores possíveis, como não combinar, como combinar, como usar imagem ao fundo mantendo o contraste.

Nós vimos também quais imagens nós queremos trabalhar, qual o olhar que queremos. Aqui tem palavra chave para você procurar mais tranquilamente as imagens. Como não usar a imagem, que tipo de imagem não queremos usar. E aqui o stylesheet que é para guiar mais ou menos o uso da tipografia, a diagramação que queremos, que propomos. E o layout aqui, como fazer, como não fazer.

Temos aqui vários casos do uso da marca, isso aqui é uma coisa importante de lembrarmos, não só isso mas também o próprio briefing que fizemos para esse trabalho aqui, vai ser uma coisa que temos que estudar.

Por quê? Porque vamos ter que entender o motivo do nosso cliente ter pedido uma mudança de marca, mas vamos ter que entender o motivo e entender como ele era, ou ele queria ser, e como ele está hoje em dia.

Ou seja, nós vamos ter que entender alguns cenários dessa marca e do que ela quer, então futuro, presente, e passado, nós vamos ter que pegar esses três momentos da marca e estudar.

Agora, entender os motivos é essencial, porque essa marca quer mudar? Normalmente por aí nós temos alguns motivos aqui que eu elenquei para darmos uma olhada.

Quais motivos normalmente nos leva a querer mudar uma marca? O primeiro de todos é o seguinte, a empresa passou por mudanças e o logotipo dela não representa mais o que ela é, os valores dela.

O que pode ser essa mudança? Pode ser uma mudança no público alvo dela, vamos supor que ela estava mirando de repente com o produto dela do cartão de crédito dela em jovens, mas de repente isso pegou para idosos, não sei por que, por algum motivo mercadológico os idosos estão consumindo mais. O que a empresa faz? Ela pode mudar a comunicação dela para tentar pegar de fato os jovens que era o objetivo dela, ou ela de repente pode querer abraçar o público que realmente abraçou a marca dela, que é o público mais idoso, então ela pode querer refletir essa nova tendência.

Ela pode ter mudado de direção, ou seja, ela pode ter mudado quem manda lá dentro, ela pode agora ter que prestar contas a acionistas, ou de repente houve uma joint venture, ou entrou um sócio novo, saiu um sócio, esse tipo de coisa pode levar a marca a ter que mudar um pouco.

Objetivos. A marca às vezes pode ter expandido, ela pode estar querendo alcançar outros mercados, ela pode de repente, o objetivo dela era fazer cartões de créditos e de repente ela descobriu que, enfim, que o negócio dela da mais dinheiro com outra coisa parecida ali e ela acaba dentro do mesmo negócio indo por outros caminhos, então isso pode ser uma coisa a se refletir na marca.

O produto dela pode ter mudado, como falamos. A competição dela pode ter mudado, imagine que o Bytebank se colocou muito bem no mercado mas na sombra dele vieram outras quinze marcas muito parecidas tentando fazer a mesma coisa, pode ser que o Bytebank resolva se destacar delas então, ele peça um redesenho.

Pode o tamanho ter crescido, podia ser um banco muito pequenininho e o banco virtual pode ter explodido, um tamanho imenso, enfim, isso tudo pode pedir uma mudança.

Ou uma crise, ou pelo contrário, ele pode ter uma crise na rede social, de repente uma crise de reputação por algum problema interno que já foi resolvido mas que ele quer reciclar, e quer mudar um pouco a imagem, então ela se aproveita de um novo símbolo. Então isso pode ser importante.

Pode ser que a empresa tenha dificuldades com o logo. O que isso quer dizer? Às vezes na aplicação do logo a empresa não consegue seguir o manual, vamos supor que o fornecedor de envelopes dela não é branco só fornece envelope pardo e nós não ficamos sabendo disso e ela também não se atentou para esse fato e de repente toda a papelaria da empresa ficou sob um fundo que não podia ser usado. Como é que se faz em um caso desse? Você mantém ali, você pede para trocar todos os fornecedores? De repente uma mudança pequena na marca resolve isso?

Ou de repente a empresa não está conseguindo usar de forma geral a marca que você colocou para ela. Ou então de repente houve alguma dissonância dos departamentos ali para o uso dessa marca que não funcionou.

A marca pode estar datada. Por que ficou uma marca datada? Nós costumamos dizer que o bom design é eterno. Nós vemos aqui um exemplo, eu vou trazer aqui um exemplo de um design que dificilmente muda, que é por exemplo, deixa eu trazer aqui, que é esse M do McDonalds, esse M do McDonalds tem as proporções muito bem feitas, dificilmente ele muda, nós vemos várias aplicações mas as proporções dele raramente muda, mesmo porque temos algumas brincadeiras aqui que fazem, que não são oficiais do McDonalds, sempre tem isso aparecendo dessa forma.

Por que isso acontece? Porque realmente um bom design se mantém, mas ainda assim tem certas coisas que são moda dentro do design, eu não vou dizer moda no sentido fashion necessariamente, de passarela, mas moda, por algum motivo durante aquele tempo aquele tipo de logo reinou, hoje em dia é muito comum esse tipo de logo aqui.

Olha o Google essa imagem do Google aqui flat com esse G assim, tudo cores chapadas, poucas cores, e tudo mais. Mas já houve um tempo que não era assim, aqui por exemplo nós vemos um logo do Google que ele tem sombra, ele tem dobras na letra, ele tem luzes, brilhos, meio que curioso, o Google mudou, e o Google não é uma empresa tão antiga quanto por exemplo, a Ford, mas ela já teve muitos desenhos da marca dela.

O Netscape que era um browser antigo da internet, dos anos 90 por exemplo, olha como era o logo dele, era esse logo aqui, ele tinha brilho, olha só, tinha um brilho aqui, tinha mais de uma cor, isso aqui era normal de se usar, o Netscape tinha, usava largamente esse tipo de imagem assim com brilhos e tudo mais, e isso era comum na internet. Por quê? Porque a tecnologia conversa com o tipo de logo que você vai usar, com o tipo de design que acaba entrando na moda.

Então você vê que a coisa da tecnologia que eu coloco aqui embaixo, eu vou até copiar e colocar aqui, que é um motivo bem próximo a marca datada, é que às vezes a tecnologia pede, nos anos 90 nós tivemos toda facilidade dos computadores aparecendo, da internet no fim dos anos 90 ganhando muita proporção, então a gente colocava na internet aquelas imagens bonitas que a gente conseguia fazer no Photoshop com brilho, com não sei o que, que na mão antigamente, na produção gráfica manual, a gente conseguia, então houve um deslumbre com isso e todas as marcas começaram a usar muito brilho, exagerar nesse tipo de coisa.

Conforme foi evoluindo a internet, deixa eu voltar com a marca do Google aqui. Conforme foi evoluindo a internet você percebeu que uma imagem com cor chapada, poucas cores, e formas muito simples que geram arquivos menores, e quando você tem arquivos menores eles carregam mais rápido na página, quanto mais rápido você carrega melhor ranqueia o seu site no SEO, então isso fez com que as marcas buscassem rapidamente simplificar o seu desenho, usar gráficos cada vez mais simples, então, houve a moda do flash design.

Disseram que são ondas, se o seu logo segue muito uma tendência, quando essa tendência mudar ele vai ficar para trás, então ás vezes isso pede uma mudança, que é um pouco diferente do M do McDonalds que dificilmente muda, porque não é uma tendência, ele é um logo que é muito bem feito, ele é feito com proporções muito inteligentes e que marca muito, é uma marca muito importante.

Mas voltando aqui, você pode também, um momento específico daquela empresa em que ela quer usar uma mudança de marca pontualmente por uma questão de campanha publicitária, ou de marketing, ela quer fazer barulho na mídia para atrair atenção pra si e lançar um produto, por exemplo. Então nesse caso ela pode querer fazer um redesenho para aproveitar esse buzz, aproveitar esse barulho, isso é muito comum, ainda que seja uma tática um pouco arriscada.

E também pode ter acontecido por um feedback negativo o redesenho da marca, eles querem mudar a marca porque de repente colaboradores internamente, ou pessoas de fora não gostaram, houve alguma ambiguidade, houve algum problema com a marca e que vai ser necessário mudar.

Mas o importante é nós sabermos que cada motivo vai pedir um trabalho diferente, entende? Se vamos mudar o logo por conta de um feedback negativo, por exemplo, nós vamos ter que ouvir bem as pessoas, entender o que elas não gostaram, entender mais ou menos como isso pode funcionar.

Se for uma questão de marca datada vamos ter que atualizar essa marca e entender tendências, que são as tendências atuais, o que ele deixou para trás, ou se queremos tentar fazer um desenho mais atemporal.

Ou se de repente é um caso de publicidade marketing, pode ser uma campanha muito pontual que peça uma pequena mudança, às vezes quase insignificante mas que seja o suficiente para a companhia fazer barulho.

Então nós vamos ter que entender o que acontece aqui. Vamos ter que fazer um estudo entendendo os motivos dela contrastando com aquela análise do passado, e do presente da marca, quando confrontarmos isso vamos poder pensar o que é o futuro dessa marca. No próximo vídeo vamos ter que levar algumas questões para o cliente para tentar entender quais os motivos do Bytebank para querer mudar a marca agora. Até o próximo vídeo.

Por que redesenhar a marca? - Questionário

Com base no que já levantamos até agora eu elaborei algumas perguntas, claro que não precisamos chegar de uma forma tão direta e falar para o cliente tudo o que nós queremos saber de uma forma muito específica, porque não estamos querendo tirar essa informação diretamente do cliente, não vamos perguntar para ele de uma forma técnica, não queremos uma opinião técnica de design do nosso cliente, nós queremos uma opinião pessoal dele, obviamente, uma visão que ele tem como colaborador, como alguém que usa a marca.

Então por isso não podemos chegar com um linguajar, e usando jargões que usamos no nosso dia a dia como design, temos que trocar uma ideia muito mais leve com ele, uma ideia mais tranquila para poder chegar a conclusões técnicas dentro do que pensamos sobre design. Então como extraímos isso? Eu fiz aqui algumas perguntas com base no que vimos, vamos ler aqui.

Quais mudanças marcantes vimos na empresa nos últimos três anos em relação a público alvo e gestão, produtos, objetivos no mercado, competição, tamanho, e reputação. Isso aqui é o que nós tínhamos visto.

Público alvo. Pode ter mudado o público alvo dele, ele pode ter percebido durante as vendas que quem consome ele é outra pessoa, então ele passou a mudar um pouco o target dele e falar olha, vamos mirar nessas pessoas que estão aceitando melhor o meu produto.

Gestão. Será que houve alguma mudança na diretoria? Será que houve mais pessoas entrando? Será que houve sócios saindo? Será que agora é uma pessoa que manda? Será que agora tem um board que precisa receber atualizações? Será que agora abriu para sociedade? Enfim, vamos ter que saber se a gestão mudou porque isso tem que ser refletido no logo.

É claro que não vamos perguntar: " Ei, houve alguma coisa, alguma mudança na empresa que nós temos que refletir no logo?" Se pensarmos dessa forma, se perguntarmos dessa forma, é capaz do cliente mesmo se embaralhar.

Produto. Será que houve algum produto que mudou? Será que algum produto tomou mais destaque que outros produtos da linha? Será que existe alguma coisa que precisamos retratar?

Objetivos do mercado. Será que o mercado mudou para o Bytebank? Será que agora ele pensa o mercado de forma diferente? Será que ele avaliou a posição dele, reavaliou seu posicionamento?

Competição. Será que a competição mudou? Será que a competição está seguindo o Bytebank? Será que de repente a competição começou a usar um logo parecido com o do Bytebank e isso vai deixar ele com menos autenticidade no mercado? Será que as cores estão muito copiadas? Ou será que a competição, de repente apareceu alguém que tem um vulto maior no mercado e o Bytebank precisa se diferenciar de novo deles?

Tamanho. Será que cresceu muito? Será que explodiu? Ou será que de repente ele resolveu diminuir o tamanho dele, diminuir a atuação, e isso pode ter um impacto na marca também?

Reputação. Será que houve alguma crise? Será que alguma coisa aconteceu que o Bytebank teve problemas e agora precisa mudar um pouquinho para inovar, para dizer ao público, olha, mudamos, isso é uma coisa que às vezes acontece com as marcas.

Perguntamos de uma forma bem sintética em relação ao que a pessoa vê na empresa, e não em relação a identidade visual nesses pontos, perguntamos sobre a empresa.

Aqui é uma coisa que podemos até pedir quando formos repassar as perguntas para falar para cliente: "Olha, se for o caso seria importante você consultar líderes de equipe, ou chefes de outros setores, para avaliarmos melhor essas coisas caso a própria pessoa que estiver respondendo não saiba com profundidade.

Uma coisa importante para sabermos. Houve alguma reclamação na hora de aplicar a identidade visual, visualmente a marca parece consistente? Essa é uma pergunta que estamos perguntando mesmo para o colaborador, também não é uma opinião técnica, nós vamos ouvir aqui uma opinião pessoal, e uma opinião que ele tirou do convívio com outras pessoas.

Ele pode ter ouvido, de repente aqui de algum setor como TI, ou design, ele pode ouvir alguma reclamação na hora de aplicar a identidade visual, então isso aqui é uma coisa importante para colhermos, de repente ele fala: "Ah, o pessoal do design estava reclamando que o logo está muito pesado, que é difícil aplicar o logo." Tem algumas coisas para ouvirmos.

O pessoal do TI também, às vezes eles falam: "Ah, está ficando muito carregada a imagem, então quando usamos no site estamos com dificuldade de fazer o carregamento ficar mais, e mais rápido para melhorar o SEO." Então pode ser alguma coisa que tenhamos que mudar.

A consistência da marca. Será que a pessoa consegue identificar a identidade visual em tudo o que ela vê a respeito dessa marca? Se ela falar que: "Bom, parece inconsistente, às vezes parece que eu estou com, sei lá, eu vejo uma sinalização no prédio que não parece ser da empresa, ou eu recebo um memorando, um comunicado, e o papel não parece ser da empresa também." De repente estão usando outra cor, estão usando um azul que não tem nada a ver com o Bytebank, isso é uma coisa boa para sabermos.

Vocês costumam comparar a identidade visual com a da concorrência? Tem algo que os concorrentes costumam usar, ou aplicar, ou alguma característica que nós não temos? Isso é uma coisa importante, às vezes o design se move em trends, ele se move às vezes em modas, em coisas que fazem nós compararmos o nosso logo com outros, ás vezes isso é bom, porque vemos que realmente nós temos autenticidade, mas às vezes nós vemos que o nosso logo não está seguindo uma trend que é importante, ou que de repente nosso logo ficou de alguma forma datado.

Ou então que de repente o mercado está simbolizando uma coisa, o mercado de forma geral está navegando dentro de um universo específico de temas visuais e estamos fugindo demais disso, então isso pode prejudicar a marca para se posicionar um pouco nesse mercado.

Então esse tipo de coisa, esse tipo de pergunta, pode levantar uma consciência para gente a respeito de como nós poderíamos mexer nessa marca e se haveria oportunidade de incluirmos ela melhor dentro do universo visual, ou então de torná-la mais autêntica, ou de atualizá-la caso ela esteja datada, como se estivéssemos seguindo um trend que já passou.

Claro que dizem que o bom design é universal e atemporal, então se vermos aquela coisa do M do McDonalds nós falamos, bom, o M do McDonalds dificilmente muda, ele é bastante universal, e bastante atemporal, mas quando ás vezes seguimos certas tendências com logo é importante ficarmos de olho para essas tendências não ficarem para trás.

Dos times de desenvolvedores, veio alguma queixa, ou requisição para uso específico da marca por questões tecnológicas? Olha, isso é uma coisa que dialoga bastante também com essa coisa dos trends, às vezes, como já vimos, questões tecnológicas podem pautar uma mudança de trend.

Como eu falei, o Google, por exemplo, as empresas que estão, e têm uma presença em uma área muito forte, elas de forma geral mudaram a identidade visual para uma linguagem mais flat, mais simples, com poucas cores, com pouca sombra, com pouco brilho, com pouco degradê, porque isso dá imagens mais simples, e menorzinhas, ou seja, carregam mais fácil na internet. Então isso tudo foi um dos motivos de chegarmos nesse trends de design material, de design flat, uma aparência flat.

Então, ás vezes tem questões tecnologias que podem começar a pautar no nosso desenho de marca, e que podem pautar inclusive um trend novo, ou então de repente sinalizar que estamos seguindo um trend que não funciona mais de acordo com a tecnologia atual.

Vocês pretendem fazer um alarde/buzz com o lançamento de uma marca nova? Se sim, o que será promovido? Aqui eu acho importante perguntarmos dessa forma para não sermos muito direto, não é uma boa prática chegarmos e falar: "Então, vocês estão querendo gerar uma oportunidade de negócio com a mudança da marca?" Nós, de forma geral, tende a defender o nosso logo, a nossa solução visual, e às vezes no redesenho da marca nós tendemos até a ser um pouco conservador, de perguntar se realmente precisa mudar aquela marca, e às vezes um motivo como: "Ah, eu quero promover um produto, por isso eu vou mudar a minha marca inteira." Isso pode parecer às vezes um pouco banal, pode parecer um motivo um pouco fraco para gastarmos tanta energia mudando toda uma marca.

Então precisamos ter cuidado nesse momento, porque às vezes eles têm necessidade crucial realmente, de lançar alguma coisa, de gerar uma oportunidade de marketing, ou de publicidade com a mudança da marca, só que às vezes isso é realmente necessário, na estratégia de marketing dele pode fazer muito sentido, mas claro que temos que analisar muito bem para ver se é ou não o caso de gastarmos essa energia.

Então é importante nós não fazermos a pergunta de uma forma que pareça para ele que já estamos influenciando de uma forma negativa, de dar uma negativa para ele a respeito da mudança da marca.

É bem diferente de perguntarmos se ele pretende fazer o alarde/buzz com o lançamento da marca nova, e o que ele quer promover com isso, é melhor perguntarmos dessa forma do que falarmos: "Então, você quer gerar barulho para algum produto? Você está querendo lançar um produto por isso que você está querendo fazer barulho e a sua forma de fazer barulho é renovar a marca?" Podemos parecer um pouco cru, um pouco direto, e isso não é uma boa prática.

Outra pergunta. As pessoas internamente falaram bem da marca? Se sentiram confortáveis? Houve reclamação mesmo que de alguma forma bem humorada, ou leve? A empresa recebeu comentários negativos de clientes e colaboradores de fora a respeito da identidade visual?

No dia a dia as pessoas acabam deixando transparecer o que elas acharam daquela nova marca, daquela marca que eles estão usando, ou de algum uso que não ficou bom, alguma inconsistência, ou alguma coisa que não gostaram na marca e que se for alguma coisa repetida, que várias pessoas estão comentando, e tudo mais, pode ser algo que realmente precisamos rever, não é a questão do gosto pessoal de uma pessoa, mas de um uso generalizado da nossa marca.

Uma pessoa pode estar se sentindo desconfortável com ela, então isso pode de repente remeter-nos a assuntos um pouco mais delicados, ou até como eu falei, inconsistências ou ambiguidades, isso é uma coisa muito comum.

Comentários de fora também são importantes ás vezes, ás vezes a empresa se vê de uma forma que nós fazemos um desenho para ela que se encaixa muito bem e isso gera um certo romance entre a identidade visual e como a marca se vê, como os colaboradores se vêm, e às vezes o pessoal de fora consegue pescar algumas coisas que o pessoal que está ali dentro no dia a dia da marca não percebe.

Então os comentários de fora às vezes também podem dar alguns insights, e é bom que nós como designers entendamos, e saibamos separar alguma crítica que possa funcionar de simplesmente uma opinião pessoal, uma brincadeira que não serve para nada.

O que mais você pretende atingir com o redesenho da marca? Isso é uma coisa que vamos meio que deixar a pessoa falar, deixar o colaborador falar a respeito do que ele quer atingir, então isso aqui é uma pergunta de fim aberto, open-ended, nós deixamos ele falar, e aqui provavelmente nós vamos ouvir bastante, então nesse caso é bom deixarmos desenvolver bastante e só de repente ir dando aquele empurrãozinho com uma perguntinha ou outra para ele continuar a falar. Então vamos ver como é que o cliente responde a esse questionário.

Sobre o curso Redesenho de logo: a expressão gráfica do rebranding

O curso Redesenho de logo: a expressão gráfica do rebranding possui 105 minutos de vídeos, em um total de 37 atividades. Gostou? Conheça nossos outros cursos de Design Gráfico em UX & Design, ou leia nossos artigos de UX & Design.

Matricule-se e comece a estudar com a gente hoje! Conheça outros tópicos abordados durante o curso:

Aprenda Design Gráfico acessando integralmente esse e outros cursos, comece hoje!

Plus

  • Acesso a TODOS os cursos da plataforma

    Mais de 1200 cursos completamente atualizados, com novos lançamentos todas as semanas, em Programação, Front-end, UX & Design, Data Science, Mobile, DevOps e Inovação & Gestão.

  • Alura Challenges

    Desafios temáticos para você turbinar seu portfólio. Você aprende na prática, com exercícios e projetos que simulam o dia a dia profissional.

  • Alura Cases

    Webséries exclusivas com discussões avançadas sobre arquitetura de sistemas com profissionais de grandes corporações e startups.

  • Certificado

    Emitimos certificados para atestar que você finalizou nossos cursos e formações.

  • Alura Língua (incluindo curso Inglês para Devs)

    Estude a língua inglesa com um curso 100% focado em tecnologia e expanda seus horizontes profissionais.

12X
R$85
à vista R$1.020
Matricule-se

Pro

  • Acesso a TODOS os cursos da plataforma

    Mais de 1200 cursos completamente atualizados, com novos lançamentos todas as semanas, em Programação, Front-end, UX & Design, Data Science, Mobile, DevOps e Inovação & Gestão.

  • Alura Challenges

    Desafios temáticos para você turbinar seu portfólio. Você aprende na prática, com exercícios e projetos que simulam o dia a dia profissional.

  • Alura Cases

    Webséries exclusivas com discussões avançadas sobre arquitetura de sistemas com profissionais de grandes corporações e startups.

  • Certificado

    Emitimos certificados para atestar que você finalizou nossos cursos e formações.

  • Alura Língua (incluindo curso Inglês para Devs)

    Estude a língua inglesa com um curso 100% focado em tecnologia e expanda seus horizontes profissionais.

12X
R$120
à vista R$1.440
Matricule-se
Conheça os Planos para Empresas

Acesso completo
durante 1 ano

Estude 24h/dia
onde e quando quiser

Novos cursos
todas as semanas