Entenda os MVCs e os frameworks Action e Component Based

Entenda os MVCs e os frameworks Action e Component Based
adriano.almeida
adriano.almeida

Compartilhe

É muito comum encontrar desenvolvedores que aprendem componentes do JSF como o Primefaces e o Richfaces e gostariam de usá-las em seus projetos que utilizam frameworks web como o Spring MVC, Struts e VRaptor, porém, isso não é possível. Por que? Entenda os diferentes funcionamentos do MVC, aprenda como funcionam os frameworks e tire para sempre essa e outras dúvidas!

Um @Controller do SpringMVC

Quando trabalhamos com o SpringMVC, tratamos as requisições enviadas pelos usuários dentro de classes conhecidas como Controller. É uma classe simples, anotada com @Controller onde implementamos métodos que tratam a requisição para uma determinada URL, indicada através da anotação @RequestMapping.

 @Controller public class ProdutosController { @RequestMapping("adicionaProduto") public void adiciona(Produto p, HttpServletRequest req) { // pega o produto recebido no request e grava no banco de dados } } 

Quando a requisição é submetida para o endereço adicionaProduto e envia os parâmetros adequados para preencher o objeto Produto, ele é gravado no banco. Porém, precisamos devolver uma resposta para o usuário, que deverá conter o nome do produto adicionado, então podemos disponibilizar um atributo ao JSP através do request que recebemos no nosso método.

 @RequestMapping("adicionaProduto") public void adiciona(Produto p, HttpServletRequest req) { // pega o produto recebido no request e grava no banco de dados req.setAttribute("nome", p.getNome()); } 

Então logo após a execução da ação, indicamos para o SpringMVC que o produto-adicionado.jsp deve ser mostrado. Para isso, basta fazermos nosso método retornar uma String com o nome do JSP.

 @RequestMapping("adicionaProduto") public String adiciona(Produto p) { // pega o produto recebido no request e grava no banco de dados req.setAttribute("nome", p.getNome()); return "produto-adicionado"; } 

Dessa forma, após a execução, o JSP será exibido para o usuário.

 <h2>Produto ${nome} adicionado com sucesso</h2> 

Onde está o MVC aí?

O mais importante nisso tudo, é notar que existe uma separação clara entre as responsabilidades no tratamento da requisição.

Quando um usuário submete uma requisição para o endereço http://localhost:8080/projeto/adicionaProduto, o SpringMVC a recebe e descobre, de alguma maneira, qual é o @Controller e qual método deve ser responsável por tratá-la. Nesse caso, o SpringMVC está fazendo o papel do Front Controller, que delega a responsabilidade para um Controller secundário, no caso a classe ProdutosController e o método adiciona. Chamamos o responsável por esse trabalho de Controlador.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_push_1.png "mvc_push_1")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_push_1.png) Os passos do controlador

O próximo passo é a execução das regras de negócio, que podem envolver a execução da persistência das informações, validações e outras tarefas que dizem respeito aos requisitos funcionais da aplicação. Chamamos as classes que fazem esse trabalho de Modelo.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_push_2.png "mvc_push_2")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_push_2.png) @Controller invoca o Modelo para realizar as regras de negócio

Após a execução do Modelo e de todas as as regras de negócio, o JSP contendo a resposta adequada deve ser exibido para o usuário. Nesse ponto, temos as regras de visualização implementadas, como por exemplo, exibir as informações em vermelho, dada alguma característica. Essas regras ficam todas centralizadas no JSP, que nesse caso, faz um papel que chamamos de Visão, ou seja, é o responsável pelo que o usuário irá visualizar como resultado.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_push_3.png "mvc_push_3")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_push_3.png) @Controller indica qual visão será devolvida para o usuário

Juntando tudo o que vimos, temos o MVC - Modelo, Visão e Controlador, cujo objetivo é separar as responsabilidades da aplicação, fazendo com que tenhamos um código mais fácil de ser mantido.

Os frameworks Action Based e o MVC Push

No exemplo anterior, os dados que precisam ser disponbilizados para a Visão fazer a exibição são "empurrados" do @Controller. Quando isso acontece, dizemos que estamos usando um estilo de MVC chamado MVC Push, ou seja, que empurra os dados para a Visão utilizar. Atualmente, frameworks que seguem essa estratégia são conhecidos como Action Based (Baseado em Ações).

Esse estilo de MVC é utilizado na grande maioria dos frameworks web, como o SpringMVC (visto aqui), Struts, VRaptor, ASP.NET MVC e inclusive o Rails.

E quando eu trabalho com JSF não acontece a mesma coisa?

Considere uma listagem simples de produtos em uma aplicação JSF, na qual precisaríamos ter o XHTML, chamado produtos.xhtml, para mostrar os dados através de um simples h:dataTable.

 <h:dataTable value="#{produtosBean.produtos}" var="p"> <h:column>#{p.nome}</h:column> </h:dataTable> 

Quando acessamos em nosso navegador http://localhost:8080/projeto/produtos.xhtml, novamente o framework, no caso o JSF, é quem recebe a requisição e desencadeia todo um processo para tratá-la de maneira adequada.

O fluxo no JSF e como se encaixa no MVC

No momento em que recebe a requisição ele inicia o processamento do xhtml, o que no nosso caso, logo incidirá na avaliação do h:dataTable, que depende de uma lista de produtos, indicada pela Expression Language #{produtosBean.produtos}. Nesse momento, o processamento está na Visão.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_pull_1.png "mvc_pull_1")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_pull_1.png) Fluxo no JSF começa pela Visão

A lista de produtos se encontra num Managed Bean, que possui o seu método getProdutos invocado pelo JSF, indicado através do parâmetro value do h:dataTable, para que consiga recuperá-la do banco de dados ou do lugar adequado:

 @ManagedBean public class ProdutosBean { // atributos e demais métodos public List getProdutos() { return repositorio.produtos(); } } 

Nesse caso, o Managed Bean quando solicitado pela Visão como foi no caso do value do h:dataTable, busca junto às suas classes os objetos solicitados, novamente, invocando regras de persistência, de validação e outros. Estamos diante do Modelo da nossa aplicação.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_pull_2.png "mvc_pull_2")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_pull_2.png) Visão pede pro Managed Bean que invoca o Modelo

Os objetos recuperados pelo Managed Bean são enfim dados à Visão que o solicitou, para que o processamento dela possa continuar e ao final de tudo devolver a resposta para o usuário.

[![](assets/entenda-os-mvcs-e-os-frameworks-action-e-component-based/mvc_pull_3.png "mvc_pull_3")](https://blog.caelum.com.br/wp-content/uploads/2030/12/mvc_pull_3.png) Managed Bean devolve os dados para a Visão, que continua seu processamento. Ao final, o resultado é mostrado para o usuário.

Os frameworks Component Based e o MVC Pull

Quando usamos o JSF, a requisição cai primeiro no Controlador, o JSF, que inicia o processamento pela Visão, que quando necessário, pega os dados através do Managed Bean e invoca as classes necessárias do Modelo e por fim, disponibiliza os dados necessários para a Visão poder continuar o processamento.

Repare que nesse caso, é a Visão quem solicita os objetos necessários para a renderização, ela "puxa" os dados através do Managed Bean. Esse estilo de MVC ficou conhecido como MVC Pull e hoje em dia é mais conhecido por Component Based (Baseado em Componentes), uma categoria que possui frameworks como o JSF e os menos conhecidos Wicket e Tapestry.

Diferenças, vantagens e desvantagens

Há uma clara diferença entre o ciclo de execução de ambos os estilos de MVC, o que inviabiliza, por exemplo, o uso de qualquer biblioteca de componentes do JSF com um framework como o Spring MVC, afinal seu controlador não está preparado e nem foi feito para que a Visão lhe solicite informações.

Quando usamos o MVC Pull, temos um maior acoplamento entre a Visão e o framework MVC, o que pode ser um ponto negativo, porém abre portas para a criação de componentes ricos da tela controlados via código Java.

Já no MVC Push temos o inverso. Conseguimos um grande desacoplamento entre a Visão, mas perdemos a possibilidade de termos componentes ricos controlados por código Java.

Na Caelum, durante o curso FJ-21 estudamos o MVC Push, através do SpringMVC e no FJ-26, estudamos o JSF e o MVC Pull. No curso de arquitetura (assim como neste livro) temos boas discussões sobre o uso ou não de cada um dos estilos.

A Editora Casa do Código publicou o livro de JSF e JPA, onde diversos assuntos são discutidos, inclusive detalhes sobre o JSF e como trabalhar com o MVC Pull.

E você, tem alguma preferência?

Veja outros artigos sobre Programação