Como medir a coesão do seu código? A métrica LCOM

Como medir a coesão do seu código? A métrica LCOM
maniche
maniche

Compartilhe

Aqui no blog da Caelum já discutimos métricas como complexidade ciclomática e acoplamento, e chegamos em maneiras quantitativas de medi-las. Agora, uma boa pergunta é: como medir coesão? Mais claramente, como chegar em um número que diz o quão coesa uma classe é?

Vamos estudar novamente o que é coesão. Sabemos que uma classe deve ser simples, enxuta. Quanto mais enxuta, mais facil será a sua manutenção. E, para que uma classe seja enxuta, ela não pode fazer coisas demais (ter responsabilidades demais). Se cada classe tiver apenas uma única e exclusiva responsabilidade, a manutenção do sistema se torna fácil: se uma regra de nota fiscal mudar, mudamos na classe NotaFiscal; se uma regra de imposto mudar, mudamos na classe Imposto.

E isso é coesão. Uma classe coesa é aquela que tem apenas uma única responsabilidade. Uma classe pouco coesa é aquela que tem muitas responsabilidades, como definido por Bob Martin.

Apesar da teoria ser simples, discutir se uma classe é coesa não é. O que é "uma única responsabilidade"? Emitir uma Nota Fiscal e Gerenciar Nota Fiscais podem ser consideradas uma única responsabilidade, sob pontos de vista diferentes. Ou seja, olhar uma classe e dizer se a mesma é coesa ou não pode ser complicado. Imagine agora tentar calcular, de forma automática, a coesão de uma classe?

Sim, existem algumas métricas que tentam medir a coesão de uma classe. A mais famosa delas é conhecida por LCOM (Lack of Cohesion of Methods) ou, em português, Falta de Coesão dos Métodos. Existem várias versões dessa métricas, mas a ideia geral de todas elas é mais ou menos a mesma. Qual é?

Uma classe é composta por métodos e atributos. Esses métodos tendem a fazer alterações nos valores dos atributos das classes (essa é a ideia da OO, certo? A classe sendo responsável por manter/alterar seu estado). Sabendo disso, a métrica descobre quantos atributos são modificados por quantos métodos, de maneira independente.

Imagine uma classe abaixo com 2 métodos (A, B) e 4 atributos (X, Y, Z, K). O método A modifica os atributos X e Y. O método B modifica os atributos Z e K. Pelo desenho abaixo, conseguimos ver que existem "2 conjuntos diferentes" nessa classe: A modifica uma parte da classe, e B, outra. Para a métrica LCOM, essa classe possui 2 responsabilidades.

coesao

No fim, a métrica mede quanto uma classe não é coesa. Ou seja, quanto maior o número que a métrica LCOM apontar, menos coesa é a classe.

Apesar de ser uma solução bastante inteligente, veja que isso é apenas uma heurística. Essa classe pode ou não pode ser coesa. Por exemplo, no mundo Java, os getters e setters podem enganar o valor dessa métrica. Por esse e outros motivos, a academia, de maneira geral, não é muito fã dessa métrica.

Na prática, a ideia é você, como desenvolvedor, avaliar o resultado da métrica e ver se realmente faz sentido. Uma boa dica é buscar pelas classes que apresentam uma LCOM muito alta; essas provavelmente possuem alguma característica estranha.

Neste post, tentei mostrar como é possível medir coesão de classes, mesmo que seja de maneira bem abstrata e suscetível a falhas. Para calcular, você pode usar ferramentas como Eclipse Metrics ou Sonar. Se quiser ver a fórmula correta que é utilizada na LCOM HS (versão mais popular e aceita da métrica), você pode ver aqui. Se você quer aprender mais sobre orientação a objetos e boas práticas, veja nossos cursos online sobre o assunto.

Veja outros artigos sobre Programação