Guia prático de proto-personas e personas

Gabriela de Lima Silva
Gabriela de Lima Silva

Compartilhe

homem olhando para um quadro cheio de papéis pendurados

Uma empresa nova no mercado chamada Tech Jobs fez um produto que acredita ser bom e inovador, porém a diretoria está preocupada com o número de vendas, que está abaixo do esperado.

Primeiramente, vamos entender um pouco sobre o produto dessa empresa: se trata de um aplicativo para pessoas que buscam uma recolocação no mercado de trabalho e precisam de ajuda para encontrar novas oportunidades.

Preocupados com a falta de resultados positivos, a equipe chamou um profissional em UX Design para tentar solucionar o problema.

As pessoas que trabalham com UX estudam a esfera emocional do usuário e a experiência que um produto gera ou pode gerar para essa pessoa.

A primeira pergunta feita pelo especialista foi: “Qual é o público-alvo?”

Ninguém soube explicar quem eram essas pessoas. E ali o problema foi identificado: A empresa não conhecia o público que tinha!

Para começar a resolver essa questão, o UX Designer juntou todas as pessoas que fizeram parte do processo de criação do app numa reunião para que, assim, começassem a trabalhar juntos numa solução.

É importante frisar que nesse processo, ninguém trabalha sozinho! Todas as pessoas deram suposições iniciais de como pensavam que os(as) usuários(as) do app fossem.

Então pensaram primeiro em um nome, algumas características da personalidade e até criaram uma frase que essa pessoa provavelmente usaria para se definir:

imagem com descrição da personalidade da usuária

Depois disso, pensaram juntos em alguns comportamentos que essas pessoas teriam:

imagem com a descrição dos comportamentos da usuária

Depois, pensaram também em algumas informações pessoais: idade, onde mora, profissão, o que estuda, etc.

imagem com as informações demográficas da usuária

Por fim, ponderaram alguns medos e objetivos que essa pessoa teria, já idealizando o app como uma solução para um problema:

imagem com a descrição das necessidades e objetivos da usuária

Todas estas informações foram reunidas para criar a ideia de Proto-persona.

quadro completo com todas as informações da proto-persona

Proto-persona

Uma proto-persona nada mais é do que um conjunto de informações que mostram, segundo a opinião da equipe, como o usuário de um determinado produto seria.

O objetivo é procurar entender melhor esse público e saber onde o produto poderia de fato agregar valor nas vidas dessas pessoas.

Depois que a proto-persona é pensada pela equipe, o UX Designer vai confirmar essas informações por meio de pesquisas de campo, com possíveis usuárias e usuários do app que a Tech Jobs está vendendo no mercado.

Nestas pesquisas, o objetivo é compreender o(a) usuário(a) e todas as esferas nas quais essa pessoa está inserida.

Assim, conseguimos juntar os resultados e entender quais informações da proto-persona estão corretas e quais precisam ser alteradas para se adequar à realidade.

E essa proto-persona que passou por pesquisa e foi validada junto ao público é o que chamamos de Persona.

quadro com as informações da persona

Enquanto a proto-persona é a que nós, como equipe, acreditamos que nosso(a) usuário)a) é, a Persona é o que, de fato, descreve com mais certeza como o(a) usuário(a) é e se comporta.

Depois que o UX Designer fez todo esse processo com a Tech Jobs, o app foi melhor adaptado para atender o público-alvo e alcançou resultados de vendas melhores.

Conhecer o público para o qual estamos desenvolvendo um produto ou serviço é de extrema importância, já que isso definirá se a experiência que estamos oferecendo é boa.

Uma proto-persona ou persona não é eterna!

Pessoas estão constantemente mudando: os gostos, as tendências e os costumes podem ser um hoje e amanhã serem outros completamente diferentes. Então, é muito importante ficar de olho nas opiniões dos usuários sobre sua experiência com o produto ou serviço.

O público-alvo é composto por pessoas diferentes, então não pense que o(a) usuário(a) será um/a cliente perfeito(a)! Por isso, as empresas podem ter quantas Personas forem necessárias, pois é difícil apenas uma conseguir representar o público inteiro de um produto. Existem até tipos de Personas, justamente para que a equipe consiga entender melhor as pessoas.

Isso não é ruim! Através dessas diferenças, a empresa poderá até mesmo identificar possibilidades de seguir novos caminhos!

Caso, algum tempo após a pesquisa, forem identificadas mudanças muito significativas no comportamento do público, é interessante revisar a Proto-persona e a Persona que a empresa criou para que não fiquem desatualizadas. Apesar de não serem pessoas reais, é de extrema importância que as informações estejam sempre atualizadas, pois elas funcionam como “personagens fictícios” que representam um público. Dessa forma, a empresa não cairá no problema que foi citado no começo do artigo.

Entender as pessoas é essencial e a UX Design é a área especializada nisso! Quer saber mais? A Formação UX Design vai te ajudar a começar na área experiência do usuário.

Gabriela de Lima Silva
Gabriela de Lima Silva

Olá, eu sou a Gabi Lima! Sou estudante de Design Gráfico. Amo ter contato com pessoas e entender seus sonhos e receios. Também sempre amei estudar, tanto que comecei a dar aulas de inglês aos 17 anos! Hoje em dia sou estagiária em UX na Alura!

Veja outros artigos sobre UX & Design