As novidades do Hibernate 4

As novidades do Hibernate 4
hannelita
hannelita

Compartilhe

Um dos mais badalados frameworks de ORM no mundo Java (e popular também no .NET), o Hibernate recentemente ganhou sua versão 4.0 Final, que chega para arrebentar de novidades. O framework surgiu em 2001, por iniciativa de Gavin King, e logo se tornou amplamente utilizado devido a uma grande diversidade de recursos para mapeamento objeto relacional. Com a especificação da JPA (Java Persistence API), solidificou-se como  a implementação mais utilizada. Diversos projetos também passaram a ser desenvolvidos pela equipe do Hibernate a fim de aprimorar os recursos existentes no framework. Muitos deles, em vez de serem anexados ao projeto Core, tornaram-se plugins, tais como Hibernate Search, o Hibernate OGM e o Hibernate Validator. Este último, inclusive, teve fortes influências para a criação de uma nova especificação, a Bean Validation (JSR 303).

A partir da versão 3.5, o Hibernate tornou-se uma implementação certificada para a JPA2 (JSR 317), lançada oficialmente no final de 2009. Várias annotations surgiram e muitos recursos foram aprimorados. Em dezembro de 2011, a versão 4.0 Final veio à tona, trazendo algumas importantes novidades que gostaríamos de destacar:

Redesign da SessionFactory

Possivelmente essa é uma das grandes mudanças no Hibernate 4. Estávamos habituados a obter uma SessionFactory da seguinte forma:

 private static final SessionFactory sessionFactory = new Configuration().configure().buildSessionFactory(); 

Entretanto, agora o método buildSessionFactory() está listado como deprecated, bem como as classes de Configuration: org.hibernate.cfg.Configuration e AnnotationConfiguration. A nova forma de se obter uma SessionFactory é através do ServiceRegistry, que explicaremos adiante, lançado para esta versão 4:

 ServiceRegistry serviceRegistry = new ServiceRegistryBuilder() .configure().buildServiceRegistry(); MetadataSources metadataSources = new MetadataSources(serviceRegistry); metadataSources.addResource("algum.hbm.xml") .addAnnotatedClass(SuaEntidade.class); Metadata metadata = metadataSources.buildMetadata(); SessionFactory sessionFactory = metadata.buildSessionFactory(); 

Para que possamos obter uma SessionFactory, precisamos de um ServiceRegistry, seguido de um MetadataSources (eventualmente podemos adicionar recursos, classes anotadas, entre outros, de forma similar ao Configuration); a partir deste obtemos um Metadata e então finalmente conseguimos uma SessionFactory.

Para obter uma EntityManagerFactory nada muda, podemos usufruir da classe javax.persistence.Persistence.

ServiceRegistry

Uma nova forma foi implementada para que o Hibernate gerencie seus serviços. Services são classes que fornecem ao Hibernate diversos tipos de funcionalidades, tais como ClassLoader, conexão com o banco (ConnectionProvider), descoberta de dialetos apropriados, entre outros. Você deve estar se perguntando por que isso é um ponto interessante. O fato chave é que agora todos os serviços possuem uma interface. Caso queira, você pode mudar a forma com que o Hibernate realiza algumas funcionalidades de uma maneira muito simples, apenas fazendo com que suas classes implementem a interface de serviço do Hibernate. É uma forma de desacoplar seu código interno e se tornar mais maleável.

Suporte a Multi-Tenancy

Para que não conhece o termo, aí vai um pequeno resumo - em um modelo multi-tenant, é possível compartilhar os mesmos recursos físicos para clientes/empresas diferentes, mas ao mesmo tempo permite-se que fiquem logicamente isolados. A frase anterior pode parecer abstrata, então imagine diversas aplicações de e-commerce. Muitas delas possuem um core muito similar e diferem apenas em questões de layout e UI. Imagine então que fosse criada uma base de código igual para todas essas lógicas de e-commerce e apenas o design de cada loja diferente fosse mudado; cada uma delas teria seu próprio namespace e um endereço na web; contudo a base de código seria a mesma. Esses websites de lojas de e-commerce seriam cada um, um tenant.

Podemos implementar o Multi-Tenancy de algumas formas: Instâncias de bancos separadas (cada tenant possui sua prórpia instância de banco); Schema separados (os tenants compartilham o mesmo banco físico, entretanto cada um deles possui um schema); e também podemos implementar o Multi-Tenancy através de Particionamento (usamos o mesmo banco físico e o mesmo Schema), onde os tenants são particionados de acordo com algum discriminator value (uma chave que apareceria em toda as tabelas) e uma única tabela guarda os dados de cada um deles. O Hibernate 4 dá suporte a esta última opção de maneira fácil. Para este caso, tomemos como exemplo uma tabela no banco denominada Cliente:

 CLIENTE ( ID BIGINT, NOME VARCHAR, ... TENANT\_ID VARCHAR (ou uma chave estrangeira) ) 

Note que precisamos do campo TENANT_ID, pois ele define a qual tenant nos referimos. Em um exemplo real, esse ID vai dizer a qual loja pertence determinado produto, por exemplo. Essa abordagem via Particionamento ainda dá suporte a cache de segundo nível.

Mas será que sempre precisaremos nos lembrar de criar um TENANT_ID em nossas tabelas? Como poderíamos ter algo como:

 CLIENTE ( ID BIGINT, NOME VARCHAR, ... ) 

sem termos um TENANT_ID? Poderíamos ter schemas separados e criarmos uma SessionFactory para cada tenant. Entretanto, isso seria inviável se tivéssemos muitos tenants, pois muitas SessionFactories podem ser extremamente custosas para a memória. Uma outra ideia seria utilizarmos uma abordagem conhecida como application-supplied connections, onde abrimos uma Session em cada SessionFactory através de uma Connection específica que fornecemos. Podemos dizer ao Hibernate qual Connection utilizar em cada contexto. Lembra-se de quando explicamos o ServiceRegistry? Um dos Services, é o ConnectionProvider. Separando os schemas evitamos a necessidade de um TENANT_ID em cada tabela, mas perdemos a possibilidade de usar o cache de segundo nível de maneira fácil, além de ser mais trabalhoso realizar relatórios e estatísticas com mais de um cliente.

O Hibernate 4 fornece essas alternativas básicas para o cenário multi-tenant, de forma quase transparente.

Usando o Hibernate 4

Quer ver o Hibernate 4 em ação? A maneira mais fácil de colocá-lo em seu projeto é através do Maven:

 <dependency> <groupId>org.hibernate</groupId> <artifactId>hibernate-core</artifactId> <version>4.0.1.Final</version> </dependency> <dependency> <groupId>org.hibernate</groupId> <artifactId>hibernate-entitymanager</artifactId> <version>4.0.1.Final</version> </dependency> <dependency> <groupId>org.hibernate</groupId> <artifactId>hibernate-annotations</artifactId> <version>3.5.6-Final</version> </dependency> 

Se você utiliza alguma outra ferramenta de build, aqui você encontra todas as dependências necessárias declaradas para Ivy, Gradle, SBT, entre outros.

Você também pode baixar os jars necessários para usá-los diretamente. Caso você use o JBoss AS 7 (conheça mais sobre essa nova versão do servidor), a versão 7.1 (ainda em Beta) já vem com o Hibernate 4 Final. Se você preferir o cloud, pode experimentar o Hibernate 4 no Openshift (aqui há um tutorial no blog da Caelum).

Gostou? Há muito mais nos links abaixo:

Webinar de Hibernate 4 - link Hibernate 4 - post oficial do in.relation.to Multi-Tenancy - mais informações (tutorial introdutório) Multi-Tenancy e Hibernate 4 - Perguntas e Respostas

Também não deixe de visitar os vários posts da Caelum sobre Hibernate, inclusive o conhecido 7 hábitos dos desenvolvedores Hibernate e JPA altamente eficazes. Esperamos você no nosso curso de Hibernate e JPA!

Veja outros artigos sobre Programação