Adicionando um novo membro em um projeto atrasado: o mito do homem-hora

Adicionando um novo membro em um projeto atrasado: o mito do homem-hora
peas
peas

Compartilhe

Ontem fui almoçar com alguns desenvolvedores da Nextel e da 2RP Informática, no Súbito da avenida Paulista (creio que as palavras que mais se ouvem naquele restaurante são Lasagna, Oracle, .NET e Java).

Durante a digestão das massas conversamos sobre os assuntos que estão na boca do desenvolvedor: frameworks, servidores de aplicação antigos, as brigas com o DBA, o super aquecimento do mercado Java e atrasos nos projetos.

A questão girou em torno de adicionar mais pessoas em um projeto que já está atrasado. Lembro-me de anos atrás o Michael ter conversado comigo sobre esse assunto, e só depois vim a ler The Mythical Man-Month, um livro com diversos ensaios sobre engenharia de software e gerenciamento de projetos.

Em um dos principais ensaios, o qual o entitula, Fred Brooks disserta a respeito do mito do homem-hora (em inglês homem-mês, mas aqui no Brasil o termo usual das consultorias é medido em horas, por isso escolhi essa tradução).

Desse livro cunharam a lei de Brooks:

Adicionar desenvolvedores para um software atrasado deixa-o mais atrasado ainda.

Não vou entrar em detalhes, apesar do ensaio ser bem curto, mas o autor critica severamente o hábito de mensurar projetos através da quantidade de homens-horas que este irá levar. Ele começa com um exemplo de um projeto com cronograma de 4 meses e 3 programadores, e que depois de um mês de trabalho, percebe-se que há a necessidade de mais um mês. As opções então são mostradas: atrasar o projeto ou segurar o projeto e colocar mais pessoas (e você vai ficar surpreso de quantas pessoas a mais serão necessárias para isso). Fortemente indicado, o livro já tem 25 anos e há uma edição comemorativa com alguns ensaios reescritos.

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão