Artigos de Tecnologia e Negócios > Inovação & Gestão

Tendências para social media em 2017

gabriel.ferreira
gabriel.ferreira

A mudança no mundo das midias sociais é uma constante: novas plataformas, novas maneiras de se comunicar e alterações nas plataformas já existentes. Para se manter atualizado, é necessário estar lendo constantemente e acompanhando as novidades conforme elas saem.

A ideia desse post é falar sobre algumas tendências para social media em 2017, baseado em tudo que li e vi ano passado.

Videos ao vivo

Bom, essa é uma tendência que já é uma realidade para muitos. Aqui na Alura mesmo, nós já fazemos um programa ao vivo todas as quintas, o Alura Live.

Transmissões ao vivo dão um pouco de frio na barriga, eu confesso! Mas depois que você pega o jeito, é muito divertido. E é legal porque estabelece uma conexão direta entre a marca (empresa, loja, etc) e seus seguidores. É uma ótima maneira de se aproximar, tirar dúvidas e criar intimidade com o seu público.

Além do Facebook Live, você pode fazer videos ao vivo através Twitter (com Periscope, Instagram e também no Google Hangouts.

Existem várias maneiras de explorar transmissões ao vivo: cobertura de eventos, perguntas e respostas sobre seu produto, lançamentos de novas funcionalidades, dia a dia dentro da empresa e muito mais. As possibilidades são inúmeras :)

Suporte através das redes sociais

Quando você tem um problema com algum serviço ou produto, qual o canal mais comum de comunicação? E-mail. E e-mail não é ruim, mas é muito impessoal, pelo menos pra mim: você envia um e-mail e horas depois (às vezes) dias recebe uma resposta, que geralmente é um pouco automatizada, aquela coisa meio quadrada.

Mais e mais marcas estão utilizando o Facebook Messenger, WhatsApp e Telegram para se comunicar com seus usuários. As pessoas ficam genuinamente felizes quando enviam uma mensagem para nós através da página da Alura e nós respondemos em menos de 5 minutos. E não é só porque respondemos rápido: é porque a pessoa sabe que do outro lado tem um ser humano ali, falando com ela, esperando ela responder, "ouvindo" o que ela tem a dizer e o que ela precisa. E essa sensação é muito boa.

Existem algumas ferramentas que ajudam no suporte através das redes sociais, como o Zendesk e Sprout Social.

Migração do Snapchat para o Instagram Stories

Ano passado, o Instagram anunciou o Stories, uma forma de compartilhar videos muito parecida (senão igual) à que o Snapchat se propõe.

Pouco tempo depois do lançamento, muita gente já migrou para o Stories. Isso foi bem perceptível pra mim: dos amigos que eu seguia no Snapchat, 90% não estão mais lá e só usam o Stories agora.

Algumas vantagens do Instagram sobre o Snapchat: -Tem uma base de 600 milhões de usuários, contra 150 milhões do Snapchat.
-O Instagram é do Facebook, quando você vai fazer anúncios nele pode se basear em Insights do Facebook, e vice-versa. -Você pode postar fotos e vídeos permanentes no seu perfil além das histórias, o que torna seu conteúdo mais "compartilhável".

A luta contra notícias falsas

É cada vez mais comum encontrar pessoas que consomem pouca (ou nenhuma) informação por outro meio de comunicação sem ser a internet. E com isso, também aumentou a quantidade de sites bizarros de notícias falsas.

Noticias falsas podem ser criadas apenas pela zueira ou para gerar desinformação em quem as lê. No auge da polêmica política que rolou ano passado eu vi muita gente compartilhando notícias falsas. E o pior: muitas pessoas fazem isso sem nem ler a notícia, lêem apenas o título e compartilham.

O Facebook já anunciou uma ofensiva para as notícias falsas, algo que irá nos ajudar muito a filtrar o que é verdade do que é mentira.

Esse é um passo muito importante, já que muita gente se informa apenas pelas redes sociais.

Realidade aumentada

Os filtros do Snapchat são demais, vamos combinar. Pokemon Go também foi uma sensação (mesmo que não por muito tempo) em 2016.

A realidade aumentada não é uma tecnologia nova, mas começou a se tornar viral por vários fatores, entre eles as redes sociais. É bem provável que outras plataformas comecem a brincar com esse recurso. O Facebook, por exemplo, comprou um app chamado Masquerade, que altera rostos em selfies. Além disso, o tio Mark já admitiu que eles estão brincando com realidade aumentada.

Ainda há muito espaço para este conceito crescer e melhorar em 2017. E assim como o video ao vivo, a realidade aumentada traz novas oportunidades das marcas se conectarem com seus usuários de formas originais :)

Artigos de Tecnologia e Negócios > Inovação & Gestão