Git: nem tudo está perdido

Git: nem tudo está perdido
rodrigo.turini
rodrigo.turini

Compartilhe

Quem já fez um reset --hard e depois percebeu que voltou mais do que devia? Humm, tá bom, eu fiz! Semana passada fui reverter algumas mudanças locais que commitei em uma branch do Alura, mas acabei resetando um commit a mais. É claro que eu só percebi isso depois de dar um git push.

A pergunta foi: e agora? O sentimento foi: medo. Mas a verdade é que se você commitou, no geral, da pra recuperar. Nesse post vou mostrar a forma que eu resolvi, que foi bem simples, e mais algumas possibilidades legais que acabei aprendendo no meio do caminho.

Entendendo o problema na prática

Pra reproduzir o acontecido, vou dar um git log na master do repositório do Alura e um reset --hard voltando a apontar pro penúltimo commit. Repara que tem um commit meu, adicionando um alarme de 80% de CPU em nosso servidor, e depois do reset a master volta a apontar pro commit do Philippe Ehlert, que antecedia:

Pronto, agora é só fazer um push -f origin master e se arrepender 2 segundos depois.

Em busca do commit perdido

A notícia boa é que mesmo que você tenha feito um reset, o commit continua lá... ele não é apagado! Ou seja, você pode recuperar qualquer commit se você souber o SHA1 dele. Se você não está acostumado com esse termo, SHA1 nada mais é do que esse hash bonitão (único) que identifica um commit:

exemplo de SHA1

Mas como eu vou saber o SHA1 se eu já fiz um reset e ele não aparece mais no log? A resposta é simples: toda mudança que você faz na HEAD de uma branch fica registrado em um lugar conhecido como reflog, que pode ser consultado com o comando git log -g:

Repara que primeiro eu fiz um git log normal, meu commit não estava lá... depois um git log -g e voilà, tenho o registro de tudo o que aconteceu na minha branch. Legal, não acha? O reflog tem muito mais informações que podem ser úteis, se você for curioso como eu, já deve estar googlando pela sua documentação.

Voltando o commit pra master

Agora que eu já tenho o SHA1 do meu commit eu posso, entre outras opções, fazer um cherry-pick desse commit de volta pra master. Não tem segredo, basta rodar git cherry-pick [SHA1] e pronto:

Ufa, problema resolvido.

Essa é uma regra valiosa do Git: se você commitou alguma coisa, provavelmente dá pra recuperar. Se você não commitou, bem... já foi! Por isso é importante fazer commit e se possível push de tudo com a maior frequência possível, falamos bastante disso no curso de Git do Alura e no curso de práticas ágeis daqui da Caelum.

E você, o que mais tem feito de legal com Git? Já perdeu algum commit e não conseguiu recuperar?

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão