Java menos verboso com Lombok

Java menos verboso com Lombok
flavio.almeida
flavio.almeida

Compartilhe

Já vimos como não aprender Java e Orientação a Objetos. Aprendemos que a geração indiscriminada de getters e setters pode quebrar o encapsulamento de suas classes.

Quando há realmente a necessidade de alguns getters e setters, podemos gerá-los com o auxílio de nossa IDE preferida, inclusive é boa prática reescrevermos os métodos equals(), hashCode() e toString(). Vejamos um exemplo de uma simples classe com apenas 3 atributos:

 import java.util.Calendar;

public class Contato { private Long id; private String nome; private Calendar dataNascimento;

public void setId(Long id) { this.id = id; }

public Long getId() { return this.id; }

public void setNome(String nome) { this.nome = nome; }

public String getNome() { return this.nome; }

public void setDataNascimento(Calendar dataNascimento) { this.dataNascimento = dataNascimento; }

public Calendar getDataNascimento() { return this.dataNascimento; }

@Override public String toString() { return "Contato ```id=" + id + ", nome=" + nome + ", dataNascimento=" + dataNascimento + "
"; }

@Override public int hashCode() { final int prime = 31; int result = 1; result = prime \* result + ((dataNascimento == null) ? 0 : dataNascimento.hashCode()); result = prime \* result + ((id == null) ? 0 : id.hashCode()); result = prime \* result + ((nome == null) ? 0 : nome.hashCode()); return result; }

@Override public boolean equals(Object obj) { if (this == obj) return true; if (obj == null) return false; if (getClass() != obj.getClass()) return false; Contato other = (Contato) obj; if (dataNascimento == null) { if (other.dataNascimento != null) return false; } else if (!dataNascimento.equals(other.dataNascimento)) return false; if (id == null) { if (other.id != null) return false; } else if (!id.equals(other.id)) return false; if (nome == null) { if (other.nome != null) return false; } else if (!nome.equals(other.nome)) return false; return true; } } 

Muita coisa, não?

Diminuindo a verbosidade

Temos um código funcional, porém extremamente verboso. Podemos evitar esta verbosidade tão comum em código Java com o auxilio do Project Lombok, que já foi comentado neste post sobre meta programação em Java. Vejamos o mesmo código reescrito utilizando Lombok:

 import java.util.Calendar;

import lombok.EqualsAndHashCode; import lombok.Getter; import lombok.Setter; import lombok.ToString;

@EqualsAndHashCode @ToString public class Contato { @Getter @Setter private Long id;

@Getter @Setter private String nome;

@Getter @Setter private Calendar dataNascimento; } 

Utilizando a classe Contato:

 Contato contato = new Contato();

// Como este setter apareceu? contato.setNome("Flávio Almeida");

// E este getter? System.out.println(contato.getNome());

// Imprimiu todos os atributos da classe! contato.toString(); 

A mágica por trás do Lombok

Tudo isso é possível porque o Lombok integra-se tanto ao Eclipse quanto ao NetBeans. Quando a IDE compila suas classes, automaticamente é gerado o respectivo código Java para cada um das anotações utilizadas: @Setter, @Getter, @EqualsAndHashCode e @ToString, tudo através de Abstract Syntax Tree (AST).

Isso pode ser visto através da view de outline do eclipse:

outline-eclipse

Integrando o Lombok ao seu Eclipse/Netbeans e ao seu projeto

O lombok precisa ser instalado no Eclipse/NetBeans, o que é feito baixando o jar no site Project Lombok.

Ao executar o jar através do comando java -jar lombok.jar, um assistente perguntará o local da instalação da IDE e nada mais.

instalador-lombok

Por fim, como precisamos importar suas anotações, o jar deve estar no build path do seu projeto.

Conclusão

É possível escrever código Java menos verboso com auxílio do Lombok sem termos que esperar por modificações na linguagem. Existem outras anotações deste projeto que podem ser utilizadas para enxugar ainda mais o seu código.

Certamente uma extensão tão poderosa da linguagem pode também te trazer problemas: uma equipe nova pode demorar a se habituar, além de você ficar dependendo da ferramenta em relação a atualizações, bugs, etc. Mas com isso podemos ver que o Java pode sim ter um código mais conciso e sucinto.

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão