JavaEE 6: contexto assíncrono das Servlets para o Ajax push

JavaEE 6: contexto assíncrono das Servlets para o Ajax push
peas
peas

Compartilhe

Desenvolvedores de backend que precisam de muita escalabilidade já conhecem os truques de IO não-blocante há muito tempo: selector, poll e epoll no Linux, kqueue no MacOS e BSD e I/O Completion Ports no Windows. A palestra do Renato Lucindo no QConSP abordava questões e soluções que podiam ser implementadas com essas abordagens. Curiosamente são padrões e implementações já bastante antigos, e agora surgem novamente com força. Mas onde o IO não-blocante e estratégias de conexão podem nos ajudar numa aplicação web do dia a dia? No Ajax reverso.

Considerando o exemplo trivial de ter de atualizar o valor de um produto em leilão a cada alteração de preço, podemos fazer com que o browser dispare uma requisição Ajax a cada 5 segundos, e, caso haja alguma modificação no preço, o servidor vai responder o valor novo e via javascript atualizamos esse valor. Essa é a implementação mais básica de ajax reverso, o polling, dando a impressão para o usuário de que a aplicação está atualizada com o servidor. A desvantagem aqui é que num intervalo de cerca de 5 segundos, você pode estar vendo dados stale, o que é aceitável para grande maioria das aplicações.

Para algo mais sofisticado, precisamos realmente fazer um push do servidor: quando houver dados, mandamos para o cliente. Muitos se referem as técnicas de Ajax push como comet, e são duas as mais usadas: fazer um long polling, e o servidor segura a requisição aberta por alguns segundos ou até ter algum dado para enviar; ou fazer um verdade streaming, mantendo a conexão aberta por tempo indeterminado, e ir enviando os dados novos para o cliente na medida que houver. Em ambos os casos podemos facilmente implementar o cliente, mas como fazer no servidor?

No servidor, precisamos manter a socket aberta com o cliente. Em uma implementação ingênua, teremos, para cada HttpServletResponse, uma thread em waiting. Quando o evento que estamos esperando for disparado, fazemos o notify/notifyAll necessário (ou ainda usar BlockingQueues). Essa implementação de thread-per-request é bastante cara no Java, tanto pelo footprint de memória quanto por criar native threads. Quando o número de clientes aumentar, a grande quantidade de threads vai atrapalhar bastante o desempenho do sistema, mesmo se praticamente todas as conexões estiverem ociosas, que é um caso bastante frequente para o nosso cenário.

Em muitos casos o melhor será usar algumas poucas (muitas vezes apenas uma) threads que façam o event loop e verifiquem se algum SocketChannel daquele Selector está pronto para leitura/escrita, e realize a operação correspondente caso necessário. Implementar isso com java.nio não é difícil, e mais ainda, os servlet containers começaram a implementar essa estratégia e fornecer abstrações bem mais simples para não ter de trabalhar com event loops nem máquinas de estado. O Tomcat 6 já trazia uma abstração para Comet com diversos callbacks para o estado de cada socket, enquanto o Jetty 6 já fazia o mesmo através de uma implementação limitada de continuations, porém bastante simples. Em ambos a ideia era fornecer uma maneira de suspender e continuar o processamento daquela requisição, e que, enquanto o processamento estivesse suspenso, aquela thread não entrasse em estado blocked, podendo voltar a processar outras requisições que possuíssem sockets prontas para ler/escrever sem contenção.

Desde novembro de 2009 não precisamos mais adotar uma solução específica de servlet container: na Servlet 3 temos suporte ao que foi batizado de contexto assíncrono. Se precisamos fazer um push para todos os clientes conectados, basta avisarmos ao container que não queremos que a requisição termine ao fim do método service (e, portanto, do doGet, doPost, etc). Fazemos isso com um simples req.startAsync(). Depois adicionamos o contexto devolvido em uma coleção, para poder fazer o broadcast do evento que os clientes estão todos aguardando.

 private Queue<AsyncContext> clients = new ConcurrentLinkedQueue<AsyncContext>();

protected void doGet(HttpServletRequest req, HttpServletResponse arg1) throws ServletException, IOException { AsyncContext ctx = req.startAsync(); ctx.setTimeout(3000000); clients.add(ctx); System.out.println("novo cliente conectou." ); } 

Você já pode rodar esse teste com seu servlet container (Tomcat 7 e Jetty 8 possuem suporte). Para isso falta configurar a Servlet através de anotações para que ela tenha suporte a chamada assíncrona:

 @WebServlet(urlPatterns = { "/subscribe" }, asyncSupported = true) public class ChatServlet extends HttpServlet { 

Se você fizer uma requisição para /subscribe do seu servidor, perceberá que o browser ficará em aguardo de uma resposta, já que o servidor não encerrou a requisição. Queremos disparar uma mensagem para todos os clientes que estiverem esperando nosso push (que tiver feito o "subscribe"). Para isso, vamos fazer com que o post em /subscribe envie uma mensagem. Por enquanto vamos adicionar essa mensagem no fim de nossa fila, com um id próprio:

 private BlockingQueue<String> messages = new LinkedBlockingQueue<String>(); private AtomicInteger contador = new AtomicInteger();

protected void doPost(HttpServletRequest req, HttpServletResponse arg1) throws ServletException, IOException { System.out.println("enviando mensagem para todos cliente"); messages.add(String.format("mensagem número %d %n", contador.incrementAndGet())); } 

Precisamos que alguém seja responsável por verificar se há mensagens novas na fila e, caso positivo, enviar essa mensagem a todos os clientes da nossa lista de AsyncContext. Faremos isso numa thread que será iniciada durante a criação de nossa servlet, e ficará esperando por mensagens novas no método blocante BlockingQueue.take:

 public void run() { while (true) { final String message = messages.take(); for (final AsyncContext ctx : clients) { public void run() { PrintWriter writer = ctx.getResponse().getWriter(); writer.println(message); writer.flush(); } } } } 

Removi o tratamento das checked exceptions por uma questão de legibilidade, e o código completo desta ChatServlet pode ser encontrada aqui.

E como realizar um teste com milhares de clientes? Isso pode ser um problema: caso você utilize alguma biblioteca que faça thread-per-request, não vai conseguir abrir muitos clientes simultaneamente, dado o número excessivo de threads criadas. Você vai precisar fazer um cliente usando java.nio puro, ou ainda em conjunto com alguma biblioteca http que utilize a API não-blocante. Esse é o caso das novas versões do Apache Http Core, e aqui há um pequeno teste de exemplo.

Você ficará bastante impressionado ao ver que uma máquina caseira pode suportar mais de 5 mil clientes simultâneos com o Jetty 8, e que só vai parar nesse número provavelmente pelo limite padrão de arquivos abertos no seu sistema operacional.

Economizar recursos caros, como threads, conexões e descritores de arquivos, é sempre uma preocupação. Na Servlet 3 conseguimos balancear esses recursos, minimizando o uso de memória e processamento, porém pagando um pouco mais alto no uso de descritores abertos, mas que ajudam muito nesse cenário de ajax reverso com push.

Expressivos agradecimentos ao Renato Lucindo e Gleicon Moraes pelo aprendizado, diversas explicações, conversas e correções.

Veja outros artigos sobre Programação