Como não aprender orientação a objetos: o excesso de ifs

Como não aprender orientação a objetos: o excesso de ifs
Guilherme Silveira
Guilherme Silveira

Compartilhe

Aglomerados de ifs aparecem com frequência, e chegam até a ter um aspecto engraçado. Em alguns casos poder dar a impressão de que estamos usando orientação a objetos, já que cada cláusula costuma envolver a invocação de um método, dependendo do tipo do objeto. Infelizmente, essa sensação é falsa, e chegou até a gerar o conhecido movimento anti if campaign na internet.

O exemplo a seguir mostra uma sequência de ifs que indicam condições distintas de execução:

public double calculaBonus(Funcionario f) { 
     if (f.getCargo().equals("gerente")) {
          return f.getVendasDoMes() \* 0.05 + getSalario() \* 0.1; 
    } else if (f.getCargo().equals("diretor")) { 
        return f.getVendasDoMes() \* 0.05 + getSalario() \* 0.2 + (Today.isDecember() ? getSalario() : 0);
    } else { return f.getVendasDoMes() \* 0.01; } 
} 

Esse tipo de condicional pode ser retrabalhado em objetos (ou funções dependendo da linguagem) que definam o comportamento a ser executado em cada caso. Herança e poliformismo podem (e na maioriam dos casos, devem) ser usados de maneira controlada para alterar um comportamento:

class Funcionario { 
     // outros atributos e metodos aqui 
     public double getBonus() {
         return vendasDoMes \* 0.01; 
     } 
} 

class Gerente extends Funcionario { 
    // outros atributos e metodos aqui 
    public double getBonus() { 
        return vendasDoMes \* 0.05 + getSalario() \* 0.1;
     }
} 

Nesse caso, os responsáveis pelo comportamento são encontrados de acordo com uma condição: o tipo que o objeto representa, sendo que cada subtipo pode redefinir o comportamento do método. Não haverá necessidade de ifs, já que essa descoberta de qual método executar é feita pela máquina virtual: funcionario.getBonus().

Esses ifs não costumam aparecer sozinhos. Assim como o comportamento do bonus, surgem em breve outros comportamentos com os mesmos ifs em outras partes do sistema:

public double liberaVerba(Funcionario f, Produto produto) { 
     if (f.getCargo().equals("gerente")) {
        return produto.getValor() < 5000 || produto.getTipo().equals(Tipo.URGENTE);
    } else if (f.getCargo().equals("diretor")) { 
        return produto.getValor() < 10000; 
    } else { 
        return produto.getValor() < 1000 || produto.getTipo().equals(Tipo.USO\_DIARIO); 
    } 
} 

Esse tipo de código fica então muito instável: uma mudança de comportamento deve ser alterada em diversos lugares distintos e, pior ainda, é muito fácil esquecer um deles ao criar um novo comportamento: alguns dos pontos de multiplos ifs são esquecidos. Ao escrever o mesmo código pela segunda vez, seguimos a prática sugerida no Pragmatic Programmers, de não nos repetir (DRY).

Mas o uso da herança é delicado, e o desenvolvedor deve estar ciente de que ela pode trazer um acoplamento indesejado e suas alternativas. O uso de interfaces se encaixaria aqui com perfeição.

Outros tipos de condições podem determinar qual ação deve ser tomada, como por exemplo o valor de um parâmetro, resultando em uma abordagem que utiliza um mapa. Note como, nesse caso, novamente, nenhum switch ou sequências de ifs precisam ser feitos: ifs são substituídos por polimorfismo:

 private Map<String, Aplicador> taxas = new HashMap<String, Aplicador>();

public void processa(String taxa, double juros) {
     impostosRecolhidos += taxas.get(taxa).aplicaComJuros(juros);
} 

De todas as variações, a solução do registro (em geral um Map) e a chave é a abordagem mais simples e capaz de separar responsabilidades distintas. Uma outra variação, que remove a necessidade de registrar os itens no mapa, mas abusa de reflection, muitos casos desnecessariamente, é a seguinte:

interface AplicadorDeTaxa {
     double aplicaComJuros(double valor); 
} 

public void processa(String taxa, double juros) { 
    Object instancia = Class.forName("br.com.caelum.taxas." + taxa).newInstance(); 
    AplicadorDeTaxa aplicador = (AplicadorDeTaxa) instancia; 
    impostosRecolhidos += aplicador.aplicaComJuros(juros); 
} 

A invocação a Class.forName("br.com.caelum.taxas." + taxa).newInstance(); pode ainda ser encapsulada em uma Factory, que em vez de buscar por um nome de classe, consultaria anotações ou um arquivo de configuração.

Esses problemas com o if surgem também em outros paradigmas. Em linguagens funcionais é possível atingir o mesmo resultado usando lambdas, ou ainda em procedurais é possível passar ponteiros de funções com abstract data types.

Além dos casos em que ifs e condicionais podem ser trocados pelo bom uso de polimorfismo, podemos seguir as boas práticas e evitar condicionais complicados e muito aninhados.

Atualizei esse post depois de anos e ele continua muito importante. Você pode e deve ler mais no artigo de POO da Alura e assistir o video em que o Paulo Silveira, meu irmão e cofundador da Alura, conversa com a Roberta Arcoverde no nosso canal:

Veja outros artigos sobre Programação