Glossário para Tech Recruiter

Glossário para Tech Recruiter
Alanis Presotto
Alanis Presotto

Compartilhe

Tech Recruiter traduzindo para o português significa Recrutador ou Recrutadora Técnica, aquela pessoa que trabalha no recrutamento e seleção de pessoas com foco na área de tecnologia, ou seja, quem atua como Tech Recruiter contrata pessoas que possuem habilidades e competências que incluem conhecimentos em tecnologias, como: devs, lideranças de projetos, enfim.

Se você deseja ter destaque profissional como Tech Recruiter é necessário prestar atenção em alguns fatores, como:

  • Quais são as competências necessárias?
  • Quais competências você já tem?
  • Quais competências precisam ser desenvolvidas?

Existem alguns requisitos para as vagas de Tech Recruiter mais avançadas, e para se evidenciar na área, preste atenção nas competências e habilidades que são consideradas diferenciais.

Você que é profissional Tech Recruiter, sabe que existem diversas informações sobre cargos, terminologias, frameworks, banco de dados e plataformas que fazem parte da área da tecnologia e que é interessante saber.

Ter conhecimento sobre essas informações e dominar o básico do dicionário de TI é considerado um baita diferencial para a área, por isso, se você deseja saber mais sobre o assunto, continue lendo este artigo!

Tela do computador com códigos de programação.

Sabemos que o mundo de TI é muito diversificado e existem diversas linguagens de programação, frameworks, ferramentas, banco de dados e plataformas. Você, como Tech Recruiter, não precisa necessariamente ter um conhecimento profundo sobre cada uma delas, mas é importante saber da existência de cada uma e entender para que servem.

Linguagem de Programação, o que é?

Basicamente, as linguagens de programação são um meio de comunicação escrita entre computadores — que funcionam com base em sistema binário, sequências de um (1) e zero (0) — e pessoas que desenvolvem. Inclusive, podem ser classificadas em:

  • Alto nível: mais próximas e semelhantes à linguagem humana;
  • Baixo nível: mais próximas à linguagem de máquina e ao sistema binário, com instruções diretas ao processador.

Então, da mesma forma que diferentes idiomas e dialetos, cada linguagem de programação tem particularidades, mas em essência, sua estrutura serve como uma ponte que permite traduzir os pensamentos humanos em instruções que os computadores entendam e possam executar.

Framework, o que é?

Framework é uma estrutura base para desenvolvimento de soluções comuns, por exemplo: criação de aplicações web ou mobile. Assim, não é preciso codificar por conta própria e procurar possíveis erros de cálculo e falhas.

Das principais características de frameworks, podemos destacar:

  • Estrutura base para criar páginas web;
  • Definição de padrões na organização do projeto;
  • Códigos reutilizáveis para implementar soluções comuns em aplicações.

A maioria dos frameworks também fornecem ferramentas para que devs construam um sistema de gerenciamento de informações e conteúdos digitais.

Biblioteca, o que é?

Tanto os frameworks quanto as bibliotecas são compostos por códigos e utilizados ​​para ajudar a resolver de forma otimizada problemas comuns em programação. Com frequência, os termos são utilizados como se fossem a mesma coisa, mas há uma diferença:

Os frameworks são compostos por padrões e arquiteturas prontas de códigos — podendo inclusive conter coleções de bibliotecas e APIs (Application Programming Interface, Interface de Programação de Aplicação em português, que consiste em um meio de comunicação entre sistemas) — que facilitam o desenvolvimento de produtos digitais, por fornecer estruturas base. Sendo assim, são mais inflexíveis e complexos**.

Já as bibliotecas são coleções de classes e métodos específicos e prontos que podem ser adicionados a diferentes projetos e reutilizados, já que foram compilados e testados para facilitar a automação ou o aumento das funcionalidades. Sendo assim, são de utilização mais flexível do que frameworks.

Normalmente, as linguagens de programação possuem bibliotecas para vários tipos de tarefas. Então, durante o processo de compilação e a execução do aplicativo, quem desenvolve poderá escolher quando e onde utilizar os recursos da biblioteca, com o objetivo de adicionar uma funcionalidade em seu código.

Banco de dados, o que é?

Um banco de dados é uma coleção organizada, que facilita o acesso e gerenciamento de informações e/ou arquivos.

É possível organizar os dados em tabelas, linhas, colunas e anexá-los para facilitar a localização de informações relevantes.

O principal objetivo do banco de dados é operar uma grande quantidade de informações — armazenando, recuperando e gerenciando dados.

Plataforma, o que é?

Uma plataforma é um grupo de tecnologias que são usadas como base para o desenvolvimento de outras aplicações.

Na Computação Pessoal — ou PC, de "Personal Computer" em inglês —, uma plataforma consiste em: hardware básico (computador) e software (sistema operacional — Windows, Linux, iOS, por exemplo). Este ambiente constitui a base de suporte e/ou desenvolvimento para aplicativos.

Já as plataformas digitais são meios de conectar serviços de negócios online às pessoas. Marketplaces — como Amazon e Magazine Luiza —, Google, Spotify e Uber são alguns exemplos.

Quais são as linguagens de programação mais utilizadas?

Tela do computador com códigos de programação.

De acordo com uma pesquisa feita por Stack Overflow, entre as linguagens de programação mais utilizadas estão:

  • Javascript: é uma linguagem amigável de back-end e front-end que permite desenvolver aplicativos da Web, aplicativos móveis e desenvolvimento de jogos.
  • Python: essa linguagem é versátil e de uso geral, é ótima como primeira linguagem para aprender já que pode ser utilizada em uma variedade de campos, desde ciência de dados e aprendizado de máquina até o desenvolvimento web.
  • Java: também é ótima para quem está começando a programar, pode ser usada para várias finalidades, incluindo desenvolvimento mobile, de software e de grandes sistemas.
  • C# (lê-se Cê sharp): pode ser usada para uma ampla variedade de aplicativos, incluindo desenvolvimento de jogos, software empresarial, videogames, aplicativos móveis e muito mais.
  • PHP: é uma linguagem de script de uso geral e do lado do servidor que é especialmente adequada para desenvolvimento web.

Quem usa linguagens de programação?

Alguns trabalhos que usam linguagens de programação incluem os(as) seguintes profissionais:

  • Desenvolvedor ou Desenvolvedora Web: responsável por projetar layouts de sites e desenvolver funcionalidades que atendam às necessidades de usuários(as), por meio de diversas linguagens de programação.
  • Web designer ou User Interface(UI) Designer: projetam os recursos visuais e interativos dos sites.
  • Game Dev ou Dev de jogos: especialista no design e criação de jogos digitais, usando codificação para gráficos e interatividade.
  • Pessoa engenheira de sistemas de computador: desenvolve e testa software para computadores pessoais.
  • Pessoa engenheira de garantia de qualidade de software: especialista cujas atividades visam melhorar o processo de desenvolvimento de software, detectando erros em um produto e evitando que defeitos ocorram novamente.
  • Dev de aplicativos: quem programa, projeta e cria aplicativos para computadores ou dispositivos móveis.

Duas pessoas sentadas em uma mesa de um bar, usando o computador para escrever códigos de programação.

E quais são as áreas de atuação?

  • Front-end:

    • O objetivo de projetar um site é garantir que, quando as pessoas usuárias abrirem o site, vejam as informações em um formato fácil de ler e relevante.
    • O desafio associado ao desenvolvimento de front-end é que as ferramentas e técnicas usadas para criar o front-end de um site mudam constantemente e, portanto, a pessoa que está desenvolvendo precisa estar constantemente ciente de como o campo está se desenvolvendo.
  • Back-end:

    • Desenvolvimento de back-end refere-se ao desenvolvimento do lado do servidor. Concentra-se em bancos de dados, scripts e arquitetura de sites. Contém atividades de bastidores que ocorrem ao realizar qualquer ação em um site. Pode ser um login de conta ou fazer uma compra em uma loja online.
    • Profissionais que desenvolvem no back-end, refinam o código de software que se comunica com servidores, bancos de dados ou outro software proprietário que transmite informações para interfaces de front-end.
  • Fullstack:

    • Fullstack refere-se à toda profundidade de um aplicativo de sistema de computador. Devs fullstacks atuam nos dois domínios de desenvolvimento web apresentados anteriormente: o front-end e o back-end.
  • Mobile:

    • Uma pessoa desenvolvedora Mobile foca na criação de software destinado a ser executado em dispositivos móveis e otimizado para aproveitar os recursos e hardware exclusivos desses produtos.
  • Data Science:

    • Cientistas de dados se especializam em encontrar métodos para resolver problemas de negócios que exigem análise estatística.
    • Quem atua na ciência de dados, trabalhará no estabelecimento de uma declaração de problema, consulta e análise exploratória de dados, engenharia de recursos, construção e desenvolvimento de modelos e interpretação de resultados. E assim, extraindo insights dos dados criados pelos sistemas da organização.

Conclusão

Além de entender mais sobre essas terminologias que são importantes para quem atua como Tech Recruiter, é interessante pesquisar e aprender mais sobre o mercado, por isso é importante:

  • Entender quais são as principais empresas do mercado.
  • O que diferencia uma empresa de TI das demais.
  • Quais são os modelos de negócios existentes.
  • Entender as diferentes culturas organizacionais.
  • Saber quais são os diferentes formatos de contratos e formas de atuação da área.

Quer saber mais sobre o assunto? Então confira o curso Tech Recruiter: Desenvolva sua carreira para se aprofundar mais sobre o assunto e se tornar um(a) profissional mais completo(a)!

Agradecimentos: Alex Felipe e Patrícia Bae pela colaboração na escrita do artigo.

Alanis Presotto
Alanis Presotto

Veja outros artigos sobre Inovação & Gestão